Comentários

Por Marcos Martino

 

 

O Festival 2009 só aconteceu por causa do trabalho de Alessandro (AM Sistemas), Ronilson Bada, Marina, Nita, Clara, Mariângela, Sérgio Augusto, Prefeito João Galo Índio, Jovelino, Marcelo Xuxa, Rogério Martino, Vanessa, Ana Therezinha, Tatá, Bicoquinho, Carlos Alexandre, Mardélio, Ítalo, Eliana, Admilson Barriginha, Juninho Alvinews, Dimdão, Maria Tereza, Joãozinho(Alternativa), Sidney(Alvimonte), Tony e Amintas(som), Samuel(promoshow)...

 

Os patrocinadores

 

O Festival 2009 só aconteceu por causa do suporte da Prefeitura Municipal de Alvinópolis, Fundação Casa de Cultura, Cia Fabril Mascarenhas, Ester Sanches, Banco do Brasil, AM Sistemas, Infotech, Jornal Bom Dia e site Cidade Mais, Site Alvinews, Site Portal Alvi, Hotel São Geraldo, Bar do Dolfo, Nicks Bar(Nô e Taninha), Renan...

 

Sobre o curtíssimo prazo

 

Começamos a pensar o festival com relativa antecedência, chegamos a elaborar projeto, criamos logomarca, porém, ficamos esperando uma verba federal que infelizmente não saiu. Isso foi uma ducha fria em nosso projeto, já que o prefeito havia deixado claro que a prefeitura não teria como disponibilizar um valor muito alto, já que passava por uma situação de crise, com sucessivas quedas de arrecadação. Quando faltavam apenas 30 dias para a data estipulada, com toda sinceridade eu já havia jogado a toalha, mas eis que recebi um telefonema do Doda, chefe de gabinete do prefeito, me perguntando quanto seria o mínimo que a prefeitura teria de disponibilizar para realizar o festival. Após alguns minutos o próprio prefeito Galo Índio me telefonou, dizendo que não iria deixar de apoiar o festival de jeito nenhum. Expus a ele que o prazo era muito pequeno para abrir inscrições e divulgar. Ele me perguntou se eu topava o desafio de fazer mesmo assim, pois não queria em hipótese alguma deixa a chama Se apagar. Eu respondi que sim, mas que teríamos de trabalhar dobrado. Assim, começamos a trabalhar nos orçamentos e na captação de inscrições. Haveria apenas 20 dias de inscrições abertas, quando o normal são 60 . Para completar, o Site Festivais do Brasil, um dos maiores veículos de divulgação junto aos artistas estava sob ataque de vírus. Isso num momento em que estávamos experimentando pela primeira vez as inscrições via internet. Mas graças a Deus, aos poucos as inscrições foram pingando e chegamos ao final a um número razoável de 56 inscrições, com músicas de várias partes do país.

 

A pré seleção

 

Ao procedermos a seleção de músicas ficamos muito satisfeitos com o alto nível das músicas inscritas, principalmente com a qualidade e diversidade das músicas de Alvinópolis. Prova disso é que entre as 24 classificadas haviam 9 músicas de artistas locais.

 

Eliminatória de sexta-feira

 

Não me lembro de uma eliminatória de sexta-feira mais calorosa que a deste ano.

Com a presença no palco de tantos artistas Alvinopolenses, as famílias estiveram presentes e todos ficaram muito surpresos com a qualidade dos artistas locais. O clima foi tão positivo que pensei comigo: Meu Deus, tomara que as coisas continuem com essa energia.

 

Eliminatória de Sábado

 

Em todos os festivais o sábado é reservado para os artistas de fora, principalmente das cidades mais distantes. A categoria das composições foi reconhecida por todos, que elogiaram a qualidade das músicas. Só faltou um pouco mais de calor humano e houve uma certa indiferença do público, que foi quebrada na hora da música MEUS SONHOS de Ana Carolina.

 

Domingo – dia da grande final

 

A cidade esteve muito movimentada no domingo. Pela manhã, o ultimo dias das Santas Missões Populares movimentou a rua de cima e trouxe à cidade fieis de várias cidades. Depois, foi a vez da Bike Fest, com largada as 11 horas da manhã, com ciclistas de todas as partes do estado. Às 19 horas aconteceu o sorteio da ordem de apresentações e as 20:30 o show de abertura do Grupo Ellus da FUNCEC de João Monlevade. Para mim foi uma emoção especial, pois fizeram um arranjo maravilhoso da minha composição Do outro lado do Espelho, que me deixou arrepiado e até me lembrou que sou compositor. Bom...mas vamos ao festival em si. A finalíssima transcorreu com muita agilidade e as músicas foram desfilando uma a uma, algumas com apresentação melhor que nas eliminatórias e outras com rendimento inferior. O Público respondeu muito bem, demonstrando sua aprovação com muitas palmas e até torcida organizada para algumas músicas.

 

A Reunião do Júri e a somatória das notas

 

Como vem sendo há anos nos festivais de Alvinópolis, o critério adotado foi de observar a pontuação dos primeiros colocados à partir da somatória das notas. Assim, do 1º ao 6º lugar o critério adotado foi realmente de premiar os que obtivessem as maiores notas..

Já os demais prêmios foram definidos em reunião com o júri, quando cada jurado votou em sua favorita nas categorias propostas.

 

Polêmicas

 

Muitos advogam que se uma música da cidade obteve mais votos, seria natural que faturasse também o prêmio de melhor da terra. No entanto, pelo exposto anterior, a votação das categorias desconsidera a pontuação numérica e pergunta aos jurados qual a sua escolha para definir as premiações. É normal que os jurados optem por aquelas que ainda não foram premiadas, até como forma de distribuir melhor os prêmios e contemplar mais concorrentes.

 

Prêmio Melhor da Terra

 

Talvez seja a hora de abolirmos o prêmio de melhor ou destaque da terra, criado para que os artistas locais possam ganhar algum prêmio, já que até alguns anos atrás, era muito difícil uma banda local concorrer de igual pra igual com os concorrentes de fora. Porém, a situação está se nivelando e o nível alcançado foi alto.

 

Denúncia à respeito da música “POR AMOR” da Christina Paz

 

Muitos denunciaram o fato da música da Christina ser muito ouvida na internet e de ser considerada comercial. Acontece que no regulamento não existe nenhum impeditivo quanto a isso e a música ainda nem foi gravada comercialmente.

 

Outros prêmios a serem criados

 

Muitos reclamaram que a cantora Ana Carolina, de Brasília mereceria melhor sorte. Realmente ela foi muito bem e foi a artista que conseguiu maior empatia com o público. Se houvesse um prêmio de Música mais comunicativa ou preferida do público, ela poderia ter se sagrado vencedora. Outro quesito a ser considerado seria Melhor Arranjo. Nesse caso, talvez a música Mares de Espanha, com violino e grande arranjo poderia também faturar um prêmio. Mas são coisas a se pensar para o futuro.

 

Opiniões pessoais

 

Gosto, cada um tem um. As opiniões são as mais diversas, cada um tem suas favoritas e se você perguntar ao pessoal, sempre vai haver uma ou outra diferença com relação ao resultado. Para que tenham uma idéia, no momento em que desci do palco veio uma pessoa em minha direção e falou: "que absurdo um samba ganhar o festival, isso não é música de festival". Se você for perguntar para cada jurado, individualmente, tenho certeza também que o resultado seria diferente. Mas a escolha do júri é democrática e reflete o conjunto da diversidade. De qualquer maneira, não vou me omitir. Se fosse eu sozinho a julgar, o resultado seria o seguinte: Em relação ao primeiro lugar eu também gostei muito do samba da Christina Paz. Gostei da letra, da divisão diferente e da categoria dos músicos. Já com relação ao segundo lugar, eu preferia a canção Distante do Verde da Terra, que deu um baita orgulho de ver uma banda local capaz de competir com grandes chances de vitória em qualquer festival. Se eu fosse a turma, pensava em compor mais músicas e participar em outros festivais, fazer shows, enfim. Para o terceiro lugar, minha escolha seria a música Pela Cidade de Chico Bread, pela melodia sinuosa e pela categoria do velho menestrel que continua compondo muito bem depois de 26 anos de ausência. Para o quarto lugar eu também concordo com Marinho San e seu Efeito Estufa, uma harmonia pra lá de elaborada, que não é pra qualquer um. Em quinto lugar eu colocaria a canção Mares de Espanha de Fábio Loyola e o sexto ficaria mesmo com a canção Sertões da solidão, de Maquicilon com Thiago e Admilson. Minha melhor letra ficaria com Oração à vida. Melhor intérprete seria a Carol. Melhor da terra eu ficaria mesmo com Cristian, que tem uma excelente presença de palco e também mandou muito bem. Para o prêmio revelação, eu dividiria o prêmio entre as bandas CASE e SISTEMA CONFUSO. Merece menção honrosa também a banda PONTO MORTO, com uma turminha novinha que subiu no palco pela primeira vez e não fez feio e a dupla Mariana e Julia, que tenho certeza, irão se preparar e no ano que vem farão mais bonito ainda. Merecem ainda menções as bandas Simulacro, que também mostrou grande evolução e Vovó Piluca, que se apresentou muito bem. De uma forma geral, os artistas locais se prepararam muito bem e ninguém fez feio.

 

Quebra de paradigmas

 

Pelo que eu saiba, foi a primeira vez que uma música sertaneja sagrou-se vencedora em um festival em Alvinópolis. Thiago, Admilson e turma inscrevem seus nomes definitivamente na história dos nossos festivais. Abre-se uma perspectiva muito interessante que deverá se aprofundar nos próximos anos

 

Os shows paralelos

 

O show de abertura, com a orquestra de flautas da banda Santo Antonio foi puro encantamento. Baita orgulho pra nós também essa centenária escola de música e cidadania.

Um grupo da banda também formou o grupo Elas e Ele, tocando clássicos da música popular.

Pequenos números de dança também aconteceram.. A Marina e a Clara, mentoras da festa da chita, puseram em ação sua turma e trouxeram mais alegria e diferenciais, com vários números de dança.

Outro show que fez grande sucesso e encantou a todos foi o grupo Ellus e João Monlevade, que tocou grandes sucessos com seu belíssimo vocal feminino, fazendo inclusive uma homenagem a esse que escreve, com uma emocionante interpretação de Do outro lado do espelho.

Pra completar, teve shows com Vovó Piluca, Fator Alma, Thiago e Admilson e Raízes do Samba, do distrito do Gravatá. Todos receberam cachês, uma forma também de incentivo.

 

Sobre os homenageados


 

Desde o ano passado, a Mariângela instituiu, com muito acerto, as homenagens especiais com premiações de ouro, prata e bronze. Esse ano chamamos simplesmente de mérito cultural, pois haviam muitos a homenagear. Com muita justiça, foram agraciados o Sr. Adriano Coelho, presidente da banda Santo Antonio, essa centenária instituição musical da cidade, Geraldo Magela Jr, o Juninho, criador do Alvinews, pioneiro site da cidade, depositário de grande acervo cultural da cidade e Esther Sanches, patrocinadora e benemérita na cultura local.

 

Divulgação

 

Para captação de inscrições, penso que funcionou muito bem, tanto que captamos 56 inscrições em menos de 20 dias.

Conseguimos divulgar nas rádios CBN em Belo Horizonte, Inconfidência, Itatiaia através do João Vitor Xavier, Rádio Alternativa, Alvimonte, Tropical de Dionísio, Jornal Estado de Minas, o Tempo, Bom dia e A Noticia em João Monlevade, Impacto de Monlevade, Sites Alvinews, Portal Alvi, Cidade Mais, vários blogs, Orkut e redes de email.

Para o festival em si é que a divulgação foi considerada deficitária.

Divulgamos bem pela internet, mas segundo nos foi informado, ainda é pequeno o contingente populacional que tem acesso à rede.

Divulgamos bastante nas rádios: Alternativa e Alvimonte, mas muitos afirmam também que não tem o hábito de ouvir rádio.

Temos de avaliar com quais as mídias a gente consegue de verdade atingir e informar o público alvinopolense. Aliás, cabe muito bem uma pesquisa nesse sentido.

 

Sobre palco, som e luz

 

O Palco foi conseguido emprestado da Prefeitura de São Domingos do Prata. Foi satisfatório. A prefeitura devia até pensar em mandar fazer um palco semelhante. Bons marceneiros é que não nos falta. Poderia ser um palco modular, que pudesse ser formatado em vários tamanhos, para diversas ocasiões.

Mais uma vez, Clara e Marina deram um show, com uma decoração pra lá de especial, que deu um outro brilho ao festival.

O Telão do Ronilson também foi importante, ao disponibilizar entrevistas, vídeos culturais da cidade, clipes, transmissão ao vivo, enfim, muito conteúdo que deu mais brilho ainda ao festival. 

A sonorização e luz foram um show à parte. Poucas vezes se viu um som tão perfeito, com equipamento digital moderníssimo. Mas o grande diferencial mesmo estava nos que operavam o equipamento. Aminthas e Tony são pessoas muito especiais, extremamente simpáticos e educados para tratar todo mundo. Em minha opinião equipamento é importante, porém mais importante é quem está por trás desse equipamento.

 

Sobre perspectivas futuras

 

No ano que vem teremos o FESTIVAL 30 ANOS. Será fundamental que trabalhemos com grande antecipação se quisermos fazer algo realmente marcante. Proponho que comecemos a pensar desde já, projetando um cronograma e buscando patrocínios nunca antes buscados.

Para isso, será fundamental que a Fundação Casa de Cultura defina rapidamente o seu organograma e passe a pensar de forma integrada.