Entrevista

Jornalista e Vereador João Vitor Xavier

 

Por Marcos Martino e Juninho.

 

João Vítor Xavier

Neste mês de abril o Alvinews traz até você uma entrevista especial com o jornalista da Rádio Itatiaia e também vereador de Belo Horizonte, João Vitor Xavier.

Estivemos na Rádio Itatiaia para acompanhar a apresentação do programa Bastidores, que vai ao ar todos os dias de 20 às 21 horas, e batemos um papo muito agradável com este jornalista especial, que tem uma história de vida muito bacana.

 

 

Breve Histórico

 

Nascido em 24 de junho de 1982, João Vitor Xavier passou a infância na cidade de Caeté, onde morava com os pais e quatro irmãos.

É formado em jornalismo pelo Centro Universitário de Belo Horizonte.

Começou a Carreira no Jornal Opinião, de Caeté, como repórter esportivo.

Trabalhou também na Rádio Lasafá, onde teve a primeira experiência no Rádio.

João Vítor Xavier chegou a Rádio Itatiaia em 2000, trazido pelo então diretor de esportes da emissora Oswaldo Faria.

Começou como Rádio Escuta, passou pelos cargos de produtor, redator e hoje ocupa as funções de repórter esportivo e apresentador do programa Bastidores.

Pela Rádio Itatiaia cobriu o pré-olímpico do Chile em 2004, os Jogos Olímpicos de Atenas,a Copa do Mundo da Alemanha, entre outros eventos esportivos.

Em 2003 foi homenageado pelo então governador de Minas Gerais, Itamar Franco, com a Medalha do Mérito Mineiro da Juventude, por seu destaque no jornalismo esportivo.

Em 2004 começou a apresentar o programa esportivo Bastidores.

Em 2008 foi eleito vereador de Belo Horizonte com 6.504 votos.

 

 

ALVINEWS – Desde menino você já sonhava em ser jornalista ou isso foi se tornando uma realidade na sua vida com o passar do tempo? O que mais te marcou no início de carreira?

JVX - Na verdade, quando a gente é menino, todos sonham em ser jogador de futebol.

Mas pra mim, que sempre gostei muito de esporte, foi um caminho natural.

Comecei acompanhando futebol e também o esporte amador em Caeté.

Com 13 anos comecei a escrever para um jornal de Caeté e aos 17 anos cheguei para a Rádio Itatiaia. Me marcou muito neste início foi o aprendizado com o futebol amador, as dificuldades, a dedicação que as pessoas têm para tocar os times e a paixão pelo futebol mesmo, que no interior tem uma força incrível.

 

 

ALVINEWS - Segundo informações da Internet, foi Oswaldo Faria quem te trouxe para a Itatiaia. Tem algum caso bacana que lembre dele?

Realmente foi o Oswaldo que me trouxe para a Itatiaia e o caso da minha entrada aqui foi muito interessante.

JVX - Em 1997 vim fazer uma entrevista com ele, para o Jornal Opinião de Caeté, quando me chamou para trabalhar aqui na rádio, mas eu não podia, pois estava ainda estudando. Logo depois que passei no vestibular minha Mãe me trouxe, já em 2000, mas não conseguimos falar com o Oswaldo, que era uma grande celebridade, uma pessoa muito ocupada. Tentamos várias vezes e também por telefone, mas não conseguimos.

 

Osvaldo Faria

 

Aí fui a um jogo no Mineirão, de geral, já que não tinha o dinheiro para ir em outro setor. Durante o jogo fui pulando as grades, de setor pra setor, até chegar na cadeira cativa, onde ficava a cabine da Itatiaia. Consegui falar com ele e foi marcado um encontro na rádio no outro dia, uma sexta-feira, véspera de carnaval.

Após a conversa, tudo deu certo e meu primeiro trabalho foi no sábado de carnaval, 9:00 horas da manhã, no jogo Cruzeiro x Igreja Universal, quando o Sorín estreiou pelo Cruzeiro. Foi assim que vim trabalhar na Itatiaia.

 

 

 

ALVINEWS - Conte um pouco a história do programa bastidores e qual a linha você adotou para conseguir esse sucesso todo.

JVX - Eu sempre quis fazer matérias diferentes, contando o outro lado da vida do jogador, do atleta, enfim das personalidades do futebol. E arranjar espaço pra fazer um programa desses era complicado. Os programas da rádio abordavam muito o dia a dia dos clubes, onde não dava pra você deixar de dar as notícias do cotidiano do time para focar nos bastidores. Aí víamos uma carência disso no noticiário esportivo da rádio, de matérias mais elaboradas, mais longas, assuntos mais polêmicos e um debate mais profundo sobre essas questões.

Aí, junto com o Carlos Cevidanes, , nosso produtor aqui hoje, que foi quem teve a idéia junto comigo, levamos ao Carlos Rubens, diretor de mercado e um grande amigo.

Ele como grande vendedor nos ajudou a vender a idéia para o Emanuel Carneiro, diretor da rádio. 20 dias após, o programa estava entrando no ar e persiste até hoje com bons índices de audiência.

 

João Vitor apresentando o programa Bastidores.

 

ALVINEWS - Dos jogadores que você já entrevistou, qual o mais esclarecido?

JVX - Tem muita gente inteligente, acabou aquela idéia do jogador despreparado, que fala errado, etc. Ainda existem alguns assim, mas uma boa parte é bem preparada.

O que posso destacar é o Alex, talento azul, que jogou pelo Cruzeiro. Um cara muito bem preparado, inteligente e bacana. Outro jogador que posso destacar é o Kaká, atualmente no Milan, que é muito centrado, preparado, inteligente.

No time do Atlético de hoje destaco o Marcos zagueiro e no Cruzeiro o Kléber e o Fabrício.

 

 

ALVINEWS - Você acha que os jogadores deveriam se preocupar um pouco mais com a educação?

JVX - Acho que não só os jogadores devem se preocupar com os estudos, mas todas as pessoas, já que a educação é a base da vida.

Nada é mais importante do que o estudo, o aprendizado.

Acho que os jogadores de hoje estão sendo mais bem preparados, os times têm escolas, os jogadores participam e se formam, o que não acontecia antes.

Essas escolas são adaptadas para que as viagens dos jogadores não atrapalhem o andamento dos estudos.

 

 

ALVINEWS - Qual jornalista esportivo você mais admira ou admirou?

JVX - Existem muitos jornalistas excelentes hoje.

Admiro bastante o Régis Resing, da TV Globo, pra mim é um grande repórter.

Sempre gostei e aprendi muito com o Juca Kfouri, que tem um estilo mais polêmico, mais apimentado, e sempre uso aqui na Itatiaia.

É suspeito falar mas gosto muito do Emanuel Carneiro, meu chefe, que sempre foi muito sensato, centrado, isento, sério.

O PVC da ESPN Brasil, que já tive a oportunidade de cobrir Copa do Mundo com ele, é um cara fantástico, diferente, muito bom.

 

 

ALVINEWS – Qual o maior time você viu jogar?

JVX - O Cruzeiro de 2003. Dos times que acompanhei, o time formado pelo Luxemburgo foi um grande time, onde até o Augusto Recife jogou muito. O auge daquele time foi na conquista da Copa do Brasil, com Deivid, Luisão, Cris, Alex, Aristizabal, Dracena, era muito bom de se ver jogando.

Vi outros grandes times também como o São Paulo do Telê, Barcelona e Milan da época de 90, o Palmeiras de 95.

 

ALVINEWS - Qual a maior exibição individual você teve oportunidade de assistir ?

JVX - Foi o jogo Brasil e Argentina, em 2004, onde o Ronaldo acabou com o jogo.

Um jogo marcante, onde o Ronaldo estava inspiradíssimo. Fez 3 gols de penalty e desestabilizou a Argentina. E olha que foi muito bem marcado viu, inclusive com socos e chegadas duras. Mas resolveu a partida.

 

ALVINEWS - Qual o jogador mais decisivo você viu jogar no Mineirão?

JVX - Alex. Por tudo que ele fez pelo Cruzeiro, onde jogou demais.

 

João Vítor, Alex, Nuzman e Emanuel Carneiro. - Troféu Guará 2004

 

ALVINEWS - Cite um ex-jogador que você admira?

JVX - Cito o Zico, um grande exemplo, um cara absolutamente impressionante, em educação, cortesia, gentileza, simpatia, portanto admiro muito o Zico.

Outro que admiro muito é o Zagalo, que trata bem, da mesma forma, a Rádio Piripiri do Norte e a Rádio Itatiaia, que é a maior rádio do Brasil.

 

ALVINEWS - Qual jogador você vê jogar atualmente que considera ter mais futuro ?

JVX - Existem dois jogadores hoje que vejo muito futuro.

O Renan Oliveira do Galo e o Bernardo do Cruzeiro.

Jogadores de muito talento, aposto muito no futuro deles.

O Bernardo inclusive esteve aqui nos Bastidores e gostei muito dele, menino inteligente e o principal né, bom de bola. Já tem dois filhos com 17 anos, qualquer hora vai ficar igual ao Marco Antônio Bruque, jornalista da Itatiaia, que tem 11 filhos.

 

ALVINEWS- Qual dirigente você admira e considera profissional, de visão?

JVX - Existem muitos bons dirigentes no futebol brasileiro, já que administrar futebol não é fácil, a exigência do torcedor é muito grande. 

Gosto muito do Eduardo Malluf do Cruzeiro, acho ele muito competente, muito capacitado pra administrar futebol.

Valdir Barbosa também, Diretor Internacional do Cruzeiro, um cara acima da média para administrar futebol.

 

 

João Vitor Xavier

durante transmissão ao vivo do estádio Olímpico, em Atenas.

 

ALVINEWS – Qual a estrutura para uma cobertura jornalística que mais te impressionou?

Já cobri quase todos os grandes eventos esportivos no mundo, o que falta é cobrir a final de um Mundial Interclubes. Agora, nada é igual a uma Olimpíada. Não existe.

Nem Copa do Mundo. Olimpíada é muito acima, é numa cidade, tudo numa cidade, muita emoção o tempo todo. Copa do Mundo, com o passar das etapas, os países vão se desclassificando e você fica 3,4 dias sem um jogo. Os 32 países representados no início vão pra 4 na semi e 2 na final. Olimpíada são mais de 200 países, todo dia com muitas atividades,muitas provas, muita competição, do dia que começa ao último dia tem emoção. Gente de todo o canto do mundo, tanto os atletas quanto jornalistas, pra mim o maior evento esportivo que existe.

Um caso pitoresco que aconteceu nessas coberturas foi que consegui fazer amizade com um jornalista do Azerbaidjão, chamado Zacarias. Dentro de um ônibus, indo para um evento, com ele falando inglês com sotaque do país dele e eu com o sotaque brasileiro, uma conversa com muita dificuldade. Um caso que nunca esqueço e até hoje, de vez em quando, converso com ele pela internet. Foi uma amizade muito curiosa, que ficou até hoje.

 

 

Emerson Romano, Rodrigo Antunes,

Mário Henrique, "O Caixa", e João Vitor Xavier.
Olimpíadas de 2004 - Atenas

 

 

 

 

ALVINEWS - Você que cobre o dia a dia dos times, acha que a mídia tem influência direta nas decisões tomadas pelos dirigentes?

JVX -  Acho que influencia muito no aspecto que o dirigente tem que se preocupar com o que vai ser divulgado, por exemplo, um clube quer vender um jogador.

Como a mídia vai divulgar isso? como a torcida vai receber?

A mídia é uma caixa de ressonância, o que acontece propaga e vai se espalhando.

Vários dirigentes usam a mídia para cobrar, pressionar, convocar a torcida, influenciar em termos gerais ao time.
As diretorias de Cruzeiro e Atlético sabem lidar muito bem com isso, às vezes também lidam muito mal e falam coisas que são prejudiciais a eles, mas que na hora não perceberam.

 

ALVINEWS – Você acha que as torcidas crescem mais quando os times ficam sem ganhar títulos?

JVX - Acho a torcida do Atlético muito apaixonada, mesmo com tantos anos sem títulos de expressão, porque o torcedor do galo, entende que pode ajudar o time a crescer, e vai ao estádio mesmo. Mas não concordo com isso não, acho que a torcida do Atlético não cresceu durante esses anos, pelo contrário, diminuiu. A torcida do Atlético era muito maior do que a do Cruzeiro. Hoje a torcida do Cruzeiro é tão grande ou maior que a do Atlético.

Outro exemplo é do Corinthians, que ficou 21 anos sem ganhar títulos. Segundo o Citadini, dirigente do clube, a torcida não cresceu durante esse período, pelo contrário, diminuiu.

 

ALVINEWS - Sabemos que você é apaixonado por futebol, mas de quais outros esportes você gosta e entende ?

JVX - Eu gosto de todos os esportes. Não existe esporte que eu não goste.

E eu não falo isso com demagogia não, gosto e assisto todos os esportes.

Até esportes americanos, que não são muito queridos aqui eu acompanho.

Adoro beisebol, futebol americano, tennis, basquete, voley, natação, hipismo, esportes de luta como judô. Esporte pra você gostar você tem de entender. No momento que você entende, você passa a se emocionar com aquele esporte. Se você se emociona, você gosta. Esporte é emoção, e pra se emocionar, basta entendê-lo.

Quanto maior a estrutura de cada esporte, melhor a divulgação e consequentemente o público que é atingido.

 

João Vítor entrevistando o Governador Aécio Neves, outro apaixonado por esporte.

 

 

ALVINEWS – Agora, na parte política, você como vereador, o esporte é uma de suas principais plataformas?

JVX - Eu não gosto muito de político especialista, aliás, em qualquer área. O ser humano, o cidadão, para ter uma vida plena, ele precisa que todos os setores da sua cidade sejam bem atendidos. Então o político tem de saber discutir vários assuntos, como saúde, educação, esporte, cultura, etc. Se você virar para um cidadão, por exemplo, a Dona Maria, que mora no centro de Alvinópolis, e falar assim :

- Sua vida está ótima, porque a saúde está ótima.

Mas e se a educação não estiver boa, se a economia não estiver funcionando, se ela não estiver trabalhando, a vida dela não vai estar ótima.

Não adianta o João Galo Índio resolver o problema da saúde de Alvinópolis, que aliás é um problema crônico, se não dar uma boa condição nas outras áreas. Por isso acredito nele, acho que ele tem condições de resolver a saúde, porque entende muito disso, mas por exemplo, no esporte, igual ele está fazendo com o Projeto Segundo Tempo(ou terceiro tempo, se não me engano), do Governo do Estado, que vai abrigar mais de 200 crianças praticando esporte em Alvinópolis, esses projetos são de extrema importância para a população.

Então as coisas tem de estar interligadas, mas é óbvio que reconheço o esporte como um dos maiores mecanismos de inclusão e de desenvolvimento. A pessoa que pratica esporte, ela vai aprender disciplina, hierarquia, vencer e também conviver com derrotas e se superar, além de fazer bem pra saúde.

Acho que o esporte ajuda muito a integrar a sociedade.

 

 

ALVINEWS - Qual a sua ligação com Alvinópolis? Conhece pessoas da cidade, já visitou a cidade antes?

Jvx - Eu freqüentava muito Alvinópolis no tempo de criança e adolescente.

Ia muito passar minhas férias na Fazenda do Sr. Néder e Dona Meire e passei alguns carnavais e festas na cidade. Adorava aquilo tudo e brinquei muito com meus primos por lá.

Nessas andanças da vida, voltei a ouvir o nome de Alvinópolis quando tive a oportunidade de conhecer o trabalho do João Galo Índio, muito antes dele falar em ser prefeito.

Conhecia seu trabalho pela saúde e digo uma coisa para vocês. Ele ajudou muita gente não só de Alvinópolis mas de várias cidades, como Caeté que é a minha cidade, São Gonçalo do Rio Abaixo, Nova União , Sabará e de cidades que nem imagino.

 

ALVINEWS - Você acha que os políticos deveriam fazer um curso de administração pública para o caso de concorrerem a cargos executivos ?

JVX - Acho que sim, mas também reconheço a experiência de vida, já que temos grandes políticos que não estudaram administração pública e que aprenderam na prática. Como em vários outros segmentos, a prática também ensina muito, o dia a dia, a vivência.
Então respeito muito aquelas pessoas que não estudaram na educação formal mas dominam determinados assuntos com muita competência. As parteiras são um exemplo disso. Na literatura e na música também. Por exemplo o Milton Nascimento, que tomou bomba de canto e hoje é um dos maiores cantores do mundo.

 

ALVINEWS - Acha sinceramente que existem boas pessoas no meio, que é possível fazer realmente uma política do bem ?

JVX - Eu sou um político do bem.
Acho que a exceção são os maus políticos.
Acredito sim que é possível realizar um política voltada para o bem, senão nem estaria nessa. Minha vida é toda voltada para o bem e é por acreditar nisso que me propus a seguir a carreira política. Até para ajudar a mudar essa impressão negativa que se tem da política como um todo.

 

Juninho, João Vitor e Marcos Martino.

 

ALVINEWS - Qual mensagem você deixaria para os mais jovens, que sonham com o jornalismo esportivo e te escutam todos os dias na Itatiaia?

JVX - Uma mensagem de otimismo, sempre.

Acho que as coisas podem melhorar.

No caso de Alvinópolis por exemplo, acho que o João é um prefeito ativo, que vai atrás das coisas.

Veja por exemplo que o João está indo pra Brasília atrás de recursos, de participação em projetos do Governo Federal.

Quantos prefeitos você acha que vão em Brasília?

Raríssimos!

E outra coisa, na parte da saúde, o João é super respeitado aqui em Belo Horizonte.

No Hospital João 23, aliás, em todo o meio.

O atual secretário de Saúde, Marcos Pestana, tem um carinho especial com ele.

Acredito que o João tem tudo pra fazer  um grande trabalho em Alvinópolis, não só na saúde, mas em todos os aspectos.

Ele é sério e comprometido.

Um prefeito tem de ter 2 coisas pra administrar Alvinópolis.

Uma é amar a cidade, que o João ama muito.

Outra é correr atrás dos recursos, buscar projetos para atrair investidores para a cidade.

Já para os mais jovens, a mensagem que eu deixo é se dedicar, estudar, batalhar pelo sonho.

Estou à disposição para ajudar com contatos, dicas e sugestões.

Um grande abraço a todos os Alvinopolenses e espero em breve visitá-los novamente.

Obrigado.

 

Contato : joaovitorxavier@cmbh.mg.gov.br

 

Fotos : Site da Rádio Itatiaia.

 

Se você gostou dessa entrevista, deixe seu recado no mural ou envie um email para alvinews14@gmail.com