Guardados

 

Ana Mineira

 




Faço jus ao meu coração,
Sondo minhas lembranças,
Sei que não são em vão.

Sinto o cheiro do figo cristalizado,
O reflexo dos olhos verdes
na velha compoteira
de uma Vó enciumada.

 

Dona prendada!
rosas e margaridas ganhavam vida
nas toalhas de linhos,
uma branca para Santo Antônio,
outras enchiam o baú de cedro.
Rezadeira e casamenteira,
novena é que não faltava.

 



À tardinha, banhava os pés,
entre quitandas e quitutes,
uma prosa e outra,
no aconchego da varanda,
fuxico é que não faltava.

Um dia se foi...
Entre crivos e crochet,
toalhas e colchas contam histórias,
Singelos guardados.
Saudade é que não falta.

 

Ana Maria Magalhães Barreto é alvinopolense e escritora.

Contato : anamagnunes@yahoo.com.br

Blog : http://anamineira.blogspot.com