Casos engraçados de Alvinópolis.

 

 

O estrangeiro

 

Caio Souza Motta

 

 

             Num verão não muito longínquo, uma turma alvinopolense resolveu ir para Guarapari, no Espírito Santo. Balneário bastante frequentado por mineiros em geral.

 

            Era o início do ano de 96, época em que o Santos Futebol Clube, do meio campo Geovanni, que estava em ótima forma, havia sido vice campeão brasileiro. Ele usava cabelos vermelhos, que segundo o meio campo, dava muita sorte.

Dentre os alvinopolenses que viajaram, estava um camisa 10, jogador de puro talento, craque dos gramados alvinopolenses e seu amigo, empresário do mercado de carnes.

Inspirado pelo excelente futebol do Geovanni do Santos, nosso amigo camisa 10 pintou os cabelos de vermelho, estilo que virou moda naquele verão.

 

Já no litoral, com um ambiente muito descontraído, a turma de alvinopolenses aproveitava bem, apreciando aquela cervejinha gelada com peruá frito, além da imensidão do mar, que renova o espírito de qualquer um.

Como nosso amigo camisa 10 era um especialista em brincadeiras e uma pessoa de humor aguçado, cismou que durante alguns dias seria estrangeiro, precisamente um espanhol. Os cabelos vermelhos o deixaram animado para se divertir a valer naquele período.

 

Assim, combinou com o empresário que precisaria de um intérprete durante o período daquela brincadeira.

De imediato, o empresário aceitou. Começou a sacanear o camisa 10, que era loucura e que todos iriam pegar no pé dele.

Mas para o camisa 10 não importava, queria mesmo ser estrangeiro por alguns dias.

Passadas as gozações, eles combinaram.

Quando passasse alguma menina, que quisesse conversar com eles, de imediato o intérprete entraria em ação, dizendo que o camisa 10 não entenderia aquelas palavras e faria a tradução simultânea.

Tudo combinado, lá foram eles para a praia do Morro.

 

Praia do Morro - Guarapari - ES.

 

Durante o trajeto, todos brincando com o camisa 10, falando palavras inexistentes e querendo respostas na língua estrangeira. Pura alegria.

Chegando na praia, escolheram o quiosque para tomarem aquela cerveja gelada e se posicionarem para ver o movimento.

Alguns ficaram no quiosque e outros preferiram ficar na areia, sob o guarda sol, para tirar o "gesso", termo usado para identificar as pessoas que estavam muito brancas, sem pegar sol há muito tempo.

 

Plano já combinado, sentam os 2 na areia, pedem uma cervejinha e ficam a admirar  o ambiente.

Daí a pouco, avistam um bonita garota vendendo balas, chocolates e doces.

Ela passa de guarda sol em guarda sol oferecendo os produtos.

Eis que o Camisa 10 já alerta o amigo empresário :

- Olha lá, a loirinha vai passar aqui, vamos caprichar hein!!

 

Eis que chega a loirinha oferecendo os produtos ao Camisa 10.

De imediato, ele responde :

- No compriendo... no compriendo...

 

Entra em ação o empresário e diz :

- Ei garota, esse rapaz é espanhol, não entende bem o que você diz. Sou seu intérprete. Pode falar que eu traduzo pra ele.

 

E a menina diz :

- Estou vendendo balas, doces e chocolates. Vocês gostariam de comprar algo?

 

E o empresário faz a tradução em volume bastante alto :

- BÁÁÁ      LA!!!
- VENNN    DA!!!
- DIII   NHEIIII   ROO!!!!(Fazendo gestos com a mão !!)
- COMM PRAR!!!!!

Que tradução hein!!!!

O camisa 10 e todos que estavam próximos caíram na risada.

Este caso foi verídico e marcou aquele verão, sendo o comentário daquela turma durante muito tempo.

Só em Alvinópolis mesmo.

 

 

Saudações Alvinopolenses e feliz 2009.

 

Caio Souza Motta é jornalista.

Contato : alvinews14@gmail.com