Elegia pressentida


(Para José Afrânio Moreira Duarte, lá!) 

Gabriel Bicalho

 



quando a borboleta negra
pousa em nossas trilhas
fecha-se o sol e o girassol

amigo / irmão / josé afrânio: 
não faz escuro ao teu redor!

anjos dialogam tua serventia
e o brilho que solitário emanas
transpõe fronteiras além céu
:
é que Deus convoca os puros
a espargirem luzes pelo cosmo!

 



estás definitivo e belo feito
estrela de primeira grandeza
:
em absoluto silêncio
para o equilíbrio telúrico
de nossos quatro elementos!

e choro a indesejável surpresa 
de tua ausência antes pressentida

agora
pelas alamedas da tristeza
os ciprestes se curvam
à tua eternidade!

e não faz ventania!

 

Gabriel Bicalho é poeta e reside em Mariana.

Este poema foi extraído da revista da Academia Mineira de Letras, ano 85 - Volume 48.

Foi feito em homenagem à memória

do poeta alvinopolense José Afrânio Moreira Duarte.