Meu Rio Verde

 

Getulino Maciel

 

 

Lembro-me de você

como se me lembrasse

de minha infância.

De olhos cristalinos sem miopias nem astigmatismos.

No fundo, um coração de pedras anos e anos,

de lodos recentes

das últimas enchentes.

E você me entrou pelos poros.

Introduziu-me nas veias lambaris malandros

piabas espertas

mandis ossudos de ferrões e berros.

Meu sangue tem lambaris

e piabas e mandis.

 

 

 

E Seo Moisés, com fieiras

enormes de mandis,

traíras, piabas

curimbatás enormes

do tamanho

de minha pequena infância...

(eu pensava sempre

que a fieira do Seo Moisés

era parte integrante do seu corpo)

Em minhas veias

corre o Rio Verde.

E nelas

pesco lambaris,

piabas e mandis

e também lembranças

do tamanho

de minha pequena infância.

 

Getulino Maciel é professor aposentado de Direito e reside em Lorena, cidade do interior de São Paulo.

Contato : louget@uol.com.br

 

 

Colunas anteriores