Você sabe onde fica Morrinhos?

 

Getulino do Espírito Santo Maciel

 

 

 

            Fica onde ele, Antonio Lemes Maciel, o moço, fincou definitivamente seus passos; encantou e conviveu com a honestidade dos bons, definhou ao peso do trabalho sem fim pela grandeza de uma terra que não era sua mas, que foi de seus filhos; indormiu noites longas de vigílias pelas ruas, praças e becos da terra que não era dele e que se fez sua por uma cidadania assumida  apesar de nunca outorgada. 

 

            Fica onde ele, Antônio Lemes, o bravo, conviveu com os grandes Xavier de Almeida, Celestino da Silva, Rosa de Viterbo, Gomes de Melo, do Vale, Barbosa, Fleury Curado, Reis, Silva, Flausino Pereira Ribeiro, ajudou velhos alquebrados, assistiu mulheres desvalidas, amparou crianças trôpegas de miséria, construiu pontes de rios que não se acabam nunca, abriu ruas que não perdem o eco de seus passos, traçou praças recheadas de "ficus" que mostram ainda  sua esguia sombra. Lutou por uma terra que não era sua mas que se fez sua dentro de um coração por um triz goiano.

 

             Fica onde ele, Antônio, o forte, titular do Decreto número 302 de 27 de abril de 1943, assinado pelo "Rouxinol Goiano" - Guilherme Xavier de Almeida - assumiu sua condição de aposentado; aposentado sem teto tendo apenas a estrela de nossa mãe Zulmira e de seus três filhos a lhe iluminar a trilha; aposentado com dois salários mínimos e meio usurpados pela pobre e tacanha ignorância dos tímidos, cuja dívida pecuniária e moral sopesou em seu esquife sem, entretanto, lhe alterar a serenidade do semblante do dever cumprido.

 

             Fica onde ele, como homenagem póstuma, está sempre presente para receber do povo de Morrinhos, todos os dias, o resgate de uma memória que não se resgata senão com a gratidão àquele que, não sendo seu filho, morreu órfão, pobre e sedento de justiça; morreu dizendo que o povo de Morrinhos estava em seu coração e que, certamente, estará com ele na eternidade de sua grandeza e na lição de que não se deve cometer injustiça a preço algum, com quem quer que seja, a título algum, em lugar nenhum e, muito menos, na terra de seus filhos, na grande Morrinhos, terra de suas lágrimas, de suas alegrias, de seus consolos, mas, sobretudo, de seus grandes e imorredouros sonhos.

 

Você sabe onde fica Morrinhos?

Ali, onde o sol começa a não se apagar mais.

 

Getulino do Espírito Santo Maciel é professor aposentado de Direito e reside em Lorena-SP

Contato : louget@uol.com.br