Júnior Brasília, um craque de Alvinópolis

 

 Parte 5

 

Gilmar Moreira

 

JÚNIOR BRASÍLIA É CONTRATADO PELO OPERÁRIO - MS

 

 

 

Em 19 de Junho de 1981, a revista Placar (foto abaixo) anuncia que o Operário do Mato Grosso do Sul contrata três jogadores do Cruzeiro para reforçar seu elenco. Eram eles: Júnior Brasília, Luís Cosme e Henry.

E o maior rival do Operário no Campeonato Sul Mato-grossense, o Comercial, também anunciava dois reforços de peso, os  atacantes Bugre e Carlos Alberto.

 

 

 

 

A equipe do Operário – MS, naquela época, era uma das maiores equipes do futebol brasileiro, e temida pelos grandes clubes do Brasil.

 

O Operário procurava manter a sua hegemonia como o maior papão de títulos daquele recém-criado estado do Mato Grosso do Sul. Pois antes da divisão do estado do Mato Grosso  em dois estados, havia sido Tricampeão em 76, 77 e 78. Superando os antigos rivais como o Mixto de Cuiabá, Operário de Várzea Grande e Comercial.

em Mato Grosso do Sul, tinha sido Bicampeão, em 79 e 80, portanto lutava pelo Hexacampeonato estadual seguido por MT e MS.

 

 

 

 

   O Clássico estadual entre Mixto e Operário CG deixou de ser disputado com a divisão do estado do Mato Grosso.

O Operário foi um verdadeiro terror dos adversários no fim dos anos 70 e começo dos anos 80. Comandado pelo técnico Castilho, ex goleiro do Fluminense e Seleção Brasileira, esta equipe era um celeiro de craques.

 

Foi terceiro colocado no Campeonato Brasileiro em 1977, só perdendo a vaga na final para o campeão São Paulo, nos minutos finais do jogo, com o centroavante Serginho Chulapa marcando dois gols e acabando com as esperanças dos operarianos que haviam vencido o jogo de ida por 1x0. Foi o maior resultado de uma equipe do Centro – Oeste no Campeonato Brasileiro.

 

 

Uma equipe fantástica, onde se destacavam o goleiro Manga e o atacante Roberto César, que depois seria artilheiro do brasileiro de 1979, jogando pelo Cruzeiro de Belo Horizonte.

 

 

 

Títulos

 

1º Campeão do novo estado do Mato Grosso do Sul em 1979

 

 

 

 

Operário-MS, no comando de Castilho, um dos melhores times do Campeonato Brasileiro 81,foi eliminado pelo Grêmio, o campeão daquele ano.

 

O Operário - MS, em 1981, uma equipe cheia de craques.

 

 

 

 

 

Além da contratação de Júnior Brasília, Luis Cosme e Henry, o Operário contava com grandes jogadores que faziam a diferença em campo.

Os destaques eram o artilheiro Zé Neto, o meia Arthurzinho, além de Pastoril, Cocada, Cléber, Baianinho e Jones, entre outros.

 

Estádio Morenão seria o palco de grandes jogos entre Comercial e Operário.

 

COMERCIAL FATURA O 1º TURNO NO MATO GROSSO DO SUL

 

Mesmo contando com uma grande equipe, o Operário de Júnior Brasília e Cia, perde o primeiro turno do Campeonato Sul- Matogrossense daquele ano para o maior rival, o Comercial do artilheiro Bugre. Uma boa equipe, disposta a tudo para impedir o Tricampeonato do Operário.

 

 

O artilheiro Bugre do Comercial e do Campeonato do MS em 1981.

 

 

 

OPERÁRIO VENCE O 2º TURNO E BUSCA O TRICAMPEONATO

 

O Operário vence de forma brilhante o Comercial.

De virada, com excelentes atuações de ambos os pontas, Júnior Brasília e Cléber, do artilheiro Jones e do meio campo fortíssimo comandado por Pastoril e Arturzinho, o Operário deu uma aula de futebol no Comercial, num jogo emocionante do ínicio ao fim.

 

 

 

Operário Tri Campeão em 1981.

 

O Operário, para ser Tricampeão do Mato Grosso do Sul em 1981, disputou 18 partidas, obtendo 13 vitórias, três empates e duas derrotas, que foram exatamente para o velho rival, o Comercial, na decisão do Primeiro Turno do Campeonato.

Ofensivo, converteu 35 gols no certame; bem postado atrás, teve a defesa menos vazada, sofrendo 12 gols.

Só não apresentou o artilheiro do Campeonato, que foi o temível Bugre do Comercial, que marcou 12 vezes.

 

No Primeiro Turno, o Operário foi mal, mesmo contando com grandes craques no seu elenco, procedentes do Cruzeiro de Belo Horizonte, como por exemplo: Júnior Brasília, Luís Cosme e Cléber.

Depois, recuperou-se e confirmou uma escrita já tradicional: chegou ao seu sexto título consecutivo. Tri no Estado do Mato Grosso e Tri no novo estado do Mato Grosso do Sul.

 

 

 

Abaixo as fichas completas dos jogos finais contra o Comercial que deram o Tricampeonato ao Operário – MS de Júnior Brasília e Cia.

 

 

 

Júnior Brasília era campeão do Mato Grosso do Sul, mais um título para coroar a sua brilhante carreira como jogador de futebol, representando de forma honrosa nossa querida Alvinópolis nos gramados do futebol brasileiro.

 

Operário Tricampeão em 1981, Júnior Brasília em destaque no canto superior direito da foto.

 

 

 

Curiosidade - Não confundir Operário de Campo Grande – MS, pelo qual Júnior Brasília jogou, com Operário de Várzea – MT, esses dois clubes de mesmo nome, eram também rivais antes da divisão do estado do Mato Grosso.

 

 

 

Júnior Brasília foi campeão nos dois estados, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul,em 1981, no Operário de Campo Grande e 82 no Mixto de Cuiabá.

 

O Operário-MS, ainda viria a conquistar no ano de 1982, o maior título da história do clube, a Taça President Cup, na Coréia do Sul. Superou equipes européias consagradas no futebol mundial como Bayer Leverkusen da Alemanha e PSV da Holanda. Um Torneio Internacional que teve a participação de 10 equipes .

 

 

 

 

JÚNIOR BRASÍLIA VAI EM DEFINITIVO PARA O MIXTO EM 1982

 

Júnior Brasília, esteve no Operário-MS de junho de 1981 a Junho de 1982, mas ainda tinha o passe preso ao Cruzeiro.

Logo depois foi negociado em definitivo com o Mixto de Cuiabá, numa troca envolvendo o melhor jogador do Mixto e artilheiro do time, o jogador Tostão II, apelido dado a esse grande jogador, por ter o futebol parecido com o antigo craque Tostão.

 

 

 

 

NO MIXTO DE CUIABÁ É CAMPEÃO ESTADUAL NOVAMENTE

 

Chegando ao seu novo Clube, o Mixto de Cuiabá no Mato Grosso, Júnior Brasília logo se firmou como titular absoluto da equipe no Campeonato. Se tornou grande destaque nos jogos contra o maior rival do Mixto, o Operário de Várzea Grande, o Chicote da Fronteira, como é conhecido.

 

 

 

 

 

Com a divisão do estado do Mato Grosso, criando-se o estado do Mato Grosso do Sul, o Mixto sem a concorrência do Operário- CG e Comercial, que ficaram no novo estado, tornou-se também um verdadeiro papa-títulos no estado do Mato Grosso, conquistando assim o Tetracampeonato em cima do Operário de Várzea Grande, clube que se tornaria no seu maior rival.

 

MIXTO (Tigre) X OPERÁRIO (Chicote da Fronteira), o maior Clássico do Estado do Mato Grosso.

 

MIXTO FATURA 1º TURNO E CONQUISTA VAGA NA FINAL DO CAMPEONATO

 

Num jogo emocionante, contra o seu maior rival, o Mixto vence o Operário de Várzea Grande por 3x0 e conquista o 1º Turno do Campeonato do Mato Grosso. O Operário VG tinha vencido o primeiro jogo por 1x0, mas como pelo regulamento não havia saldo de gols, o Mixto foi obrigado a jogar uma prorrogação que terminou em 0x0. Nas penalidades deu Mixto na cabeça, que garantia assim seu lugar na final do Campeonato.

 

Nesse jogo, Júnior Brasília substituiu o atacante Foguinho e fez um bom jogo. Logo abaixo a ficha completa do jogo que levou 13 mil pessoas ao estádio Verdão (Governador José Fragelli).

 

 

CLÁSSICO DOS MILHÕES


Mixto e Operário possuem as duas maiores torcidas do Mato Grosso. Por isso o jogo entre eles é chamado de Clássico dos Milhões.

As duas equipes também dominam as conquistas no estado: são 24 estaduais conquistados pelo Mixto e 14 pelo Operário.

 

 

 

Nome Oficial: Estádio Governador José Fragelli

Capacidade: 47.000

Endereço: Avenida Agrícola Paes de Barros, s/nº - Cuiabá (MT)

Inauguração: 08/04/1976

Primeiro Jogo: Mixto-MT 2 x 0 Dom Bosco-MT

Primeiro Gol: Pastoril (Mixto)

Recorde de Público: 44.021 (Mixto 2 x 0 Dom Bosco - 08/04/1976)

Dimensões do Gramado: 110m x 75m

Proprietário: Governo do Estado do Mato Grosso

 

MIXTO VENCE NOVAMENTE O OPERÁRIO – VG E É TETRACAMPEÃO

 

Com grande atuação de Júnior Brasília e seus companheiros, numa partida dificílima contra o Operário de Várzea Grande, o Mixto chega ao Tetra.

O Operário vendeu caro a derrota, conseguida novamente nas grandes penalidades, com a defesa do goleiro Elton do Mixto, numa bola chutada pelo zagueiro Flávio do Operário- VG, garantindo assim mais um campeonato.

 

Júnior Brasília foi uma arma imprescindível no ataque do Mixto na conquista do tão sonhado Tetra Campeonato do Estado do Mato Grosso em 1982.

 

Abaixo a ficha do jogo que consagraria o Mixto como Tetracampeão.

 

 

 

Júnior Brasília, o primeiro agachado da esquerda para a direita Tetracampeão do Mato Grosso com o Mixto em 1982.

 

Nos próximos capítulos falaremos de sua passagem por Brasil de Pelotas – RS e Rio Verde – GO, seu último clube como jogador profissional.

 

Um grande abraço a todos os Alvinopolenses do Brasil e do Mundo.

 

Gilmar Moreira é alvinopolense e reside em Quarteira - Portugal.

Contato : gilmarmdem@hotmail.com