A ALIANÇA

 

José Pinto Coelho

 

 

 


A aliança, gema divina

A mais doce das prisões,

Uma prisão pequenina

Que encerra dois corações.

 

Rodinha, frágil e fina,

Mais parece um brinquedo,

Com ela qualquer menina

Prende o rapaz pelo dedo.

 

Na mão direita figura

Com o penhor da afeição,

Mas é completa aventura

Quando muda pra outra mão

 

Na velhice lembra medo

Dos sonhos, da mocidade

Depois...
Duas num só dedo...

Uma é viva a outra é saudade.

 

 

Esta poesia está no livro Literatura Alvinopolense - Terceiro Movimento
Excelente inciativa de José Afrânio Moreira Duarte e Ana Maria Terrôla de Menezes, este livro foi lançado em Alvinópolis no ano de 2004.
No livro são citados os vários escritores, da nova e antiga safra de Alvinópolis, relembrando contos e poesias. Pequenas lembranças de uma terra rica em cultura.

Sobre José Pinto Coelho

Em 26 de março de 1913, nascia em Rio Piracicaba, José Pinto Coelho, filho de José Fernandes Pinto Coelho e Alice Vasconcelos Pinto Coelho.

Sua família era muito numerosa, pois seu pai casara-se com sua mãe já viúvo e com muitos filhos.

Desde cedo, aprendeu a se virar sozinho, pois seu pai faleceu quando tinha apenas 13 anos.

No começo foi ajudante de alfaiate, mas, vendo que não tinha futuro, começou a trabalhar como ajudante de farmácia na Farmácia de Fito, e, seguindo os passos de seus antepassados (seu avô era boticário e seu pai farmacêutico) monta seu próprio negócio.

Em 1944, casou-se, mudando para Alvinópolis, onde constituiu família e como um homem sempre à frente de seu tempo, ainda pode ser encontrado na "Farmácia de Seu Dodô", conhecido e admirado por todos, "Seu Dodô" (assim ele é chamado), faz parte da história de gerações e gerações de alvinopolenses que sempre o tratam como um querido filho da terra, e, cercado do carinho de todos, ele foi levando sua vida de curar doenças do corpo com remédio e da alma com poesias.