Os legados dos nossos políticos

 

Marcos Martino

 

 


 

Já abordei o assunto em outras ocasiões, mas não custa repetir. Penso que todos os prefeitos que passaram em Alvinópolis, com raríssimas exceções, deixaram algum legado para a cidade. Homens como o Sr Nilo, Marinho Cota e Dr Mário, com as dificuldades da época, operaram verdadeiros milagres. Naqueles anos, a cidade praticamente se configurou como é hoje.

Em principio, a Cia Fabril Mascarenhas era a grande mantenedora. Alguns serviços que temos hoje como concessões públicas, a energia elétrica por exemplo, eram fornecidos pelo usina da Cia. Com o tempo, a cidade, o estado e o país foram se organizando institucionalmente e as coisas foram se ajeitando. Depois veio uma geração de prefeitos já com o Brasil um pouco mais desenvolvido e as instituições mais sedimentadas.

 

Dico Lavanca foi um prefeito carismático e de grande sensibilidade social. Lembro-me que eu ainda era criança, mas já ouvia a oposição envenenando, dizendo que ele dava tudo para os outros. Dico realmente tinha um coração enorme e a prefeitura em sua época era do povo. Na sua época como prefeito as coisas aconteciam de uma forma mais fácil, menos dificultosas. Dico sempre baseou suas ações na confiança. Lembro-me que certa vez, estávamos já batalhando pelo Festival de Música e precisamos de dinheiro para pagar cartazes e outras despesas. Encontrei com ele que me falou: pode combinar com a gráfica e mandar a nota pra prefeitura. Falei pra ele o valor e ele me respondeu: - Eu não quero nem saber do valor, menino. Você é filho de Tony Anemia. Mais honesto não tem nem jeito.  

 

Lembro-me depois que tivemos Vicente Rocha, mais discreto e não tão popular quanto o Dico, mas que fez um excelente governo. Há certo tempo  estive com o Deputado José Santana, que me falando sobre os grandes prefeitos de Alvinópolis, citou a inteligência do Sr Nilo Gomes e a educação, a cordialidade do Vicente Rocha. Contou-me que várias coisas boas que aconteceram no governo do Vicente que praticamente passaram despercebidas, pois ele não ligava para marketing. Só queria fazer um bom governo e pronto.

 

 

Depois do Vicente tivemos Marcinho que foi secretário do Dico e que governou com muita correção e austeridade. Marcinho ganhou apelido de Sangue Novo que o acompanha até hoje, por ter sido eleito muito novo. Marcinho também ganhou a fama de pão duro e negociador duro na queda. Antes da pessoa chegar perto , ele já olhava com cara feia e xingava antes do caboclo pedir. Não tinha paciência nenhuma com os malandros que vivem rodeando a prefeitura.  

Logo após, tivemos o governo do Milton, que teve o mérito de criar o distrito industrial e levar para Alvinópolis a BIO EXTRATUS, cujos proprietários vieram de Dom Silvério, fincaram raízes e hoje geram centenas de empregos. Milton também é um sujeito popular, que ao feitio do Dico gosta de ajudar o povo. Tive a oportunidade de trabalhar em um evento em parceria com ele e não tenho do que reclamar. Uma coisa interessante que percebi é que, embora ele more pertinho da prefeitura, demorava 15 minutos para atravessar a rua, devido a atenção carinhosa que dispensava ao povo.

 

Depois do  Milton tivemos o Zé Milton, o popular amigão, que infelizmente não fez uma boa  administração, com obras inconclusas e indícios  de desvio de verbas.

 

No último pleito foi a vez do João Galo Indio ganhar a prefeitura com a promessa de priorizar a saúde.  Se conseguir realmente inaugurar as obras do hospital neste mandato, conseguirá cumprir com o que considera ser sua principal promessa, que é ser o prefeito da saúde.  Na área, realmente o Galo Indio tem moral. Como resido em Monlevade e trabalho na prefeitura de lá, por diversas vezes presenciei situações em que o Galo resolvia problemas de pacientes que necessitavam de internação urgente em Belo Horizonte.  Quantas vezes pessoas da área da saúde de João Monlevade me pediram o contato do galo pra resolver problemas de saúde de suas famílias e depois vinham me agradecer e contavam que o Galo havia sido muito atencioso. Essa é uma qualidade que ninguém tira dele. E ele não favorece só pacientes de Alvinópolis e Monlevade, mas também  de Caeté, São Gonçalo, Santa Bárbara, Barão de Cocais, etc. Pode até ser que deixe a desejar em outras áreas, mas na saúde ele tem sido bastante eficiente e influente.  

 

Como vêem, não falo mal de ninguém, pois o objetivo desta vez é falar dos legados positivos. Mas na próxima coluna do Alvinews vou fazer o contrário, ou seja, falar dos lados negativos dos prefeitos alvinopolenses. Imagino que até esqueci de citar alguns, por desconhecer histórias pregressas. Peço aos que conhecerem que nos elucidem. 

 

 

Bom, agora é saber quais são as cenas dos próximos capítulos. Quem será nosso próximo prefeito e quais os legados deixará. Temos alguns pré-candidatos, todos com atributos que os qualificam para a disputa. Ainda não são anunciados, mas presumidos. Temos o Milton, que conta com numeroso grupo político e que entra com força na disputa. Temos o Galo Índio, que pretende dar sequência à administração que vem fazendo há 3 anos e meio. Temos o PT, que lança o Sérgio Augusto, um candidato a prefeito jovem, moderno, único que utiliza a internet com desenvoltura. Temos a Marilac, filha do grande ex-prefeito Nilo Gomes, que tem dedicado a vida a cuidar dos mais necessitados, administrando a APAE de Alvinópolis. Temos ainda nomes que poderão emergir, como o Nem de Carlito, empresário bem sucedido que tem muita vontade de dar sua contribuição como prefeito da cidade, como o Ledes Cota, vereador em diversos mandatos que administra a Cooperativa dos Produtores Rurais com muita competência.  

 

Quer dizer, ao contrário do que muitos afirmam, penso que a cidade tem bons candidatos, uns de perspectivas mais conservadoras, outros mais atirados e inovadores. O problema da política é esse: não se pode reconhecer qualidades no outro. Imperativo é desconstruir o outro para ocupar o seu lugar.

 

Quem sabe um dia pensemos com outra lógica?

 

É isso. Meu coração não se cansa de ter esperança...

 

Marcos Martino é alvinopolense, poeta, escritor, jornalista, músico.

Email : marcos.martino@gmail.com