A HISTÓRIA DO VERDE TERRA

 

PARTE 40

 

Neo Gêmini

 

 

A ótima repercussão do Show de pré-lançamento.

O show de encerramento no 12o. Festival de Alvinópolis - Julho 1987

A expectativa para chegada do disco.

 

Após o show de pré-lançamento, que aconteceu nos salões do Industrial Sport Club, na Praça da Baixada, em 23 de Maio de 1987, a expectativa para o disco do grupo era enorme. O grande número de pessoas que compareceram ao show, inclusive de cidades da região, causou um verdadeiro "frisson" entre os fãs do Verde Terra. As gravações estavam terminadas e o material foi enviado em Junho para as Gravações Elétricas em São Paulo, através do Estúdio Bemol, BH, da família Cheib.

 

A repercussão do show de pré lançamento foi tanta que o Jornal "Nossa Terra" da vizinha cidade de Dom Silvério trouxe na capa a matéria do disco e na parte interna, uma página inteira com a entrevista com os componentes do Verde Terra.

 

 

O editor Rogério Horta, escreveu na época:

 

"Este disco vem agraciar todo um trabalho de 7 anos de batalhas em festivais mineiros, procurando seu espaço dentro desta mágica chamada criação.

 

O Grupo Verde Terra merece todo nosso respeito e admiração por estar trilhando, de maneira coerente, o caminho da Arte. Falar de Marcos, Manoel, Rogério, Lucas, Ricardo, Luiz Flávio,Ronaldo, João Carlos, Jovelino, é falar de um dos poucos movimentos culturais que Alvinópolis produziu nos últimos anos.

 

VERDE TERRA é o produto acabado, pintado e bordado de uma geração maldita; que viveu a repressão militar de fuma ditadura de 21 anos; que sofreu a influência dos rebeldes cabeludos de nossa década; que enxergou o mundo despido dos pseudos conceitos de moral e ética que até então se impunha.

"Nós, os Loucos" mergulha fundo na alma de todos nós e traz à tona algo que relutamos em aceitar: nossa própria loucura"

Rogério Horta, D.Silvério, Junho 1987.

 

Em Alvinópolis, os integrantes do grupo voltaram a ter prestígio com seus conterrâneos, familiares e amigos. Alguns churrascos aconteceram e depois de muito tempo, o grupo não participaria do Festival da Canção em Julho.

 

 

Na realidade, juntamente com a ASCAL- Associação Cultural de Alvinópolis o Verde Terra organizou um dos melhores festivais de todos os tempos. O ano marcava o centenário da Cia. Fabril Mascarenhas.

O cartaz, em papel couchê trazia uma das casas de hóspedes da empresa, juntamente com uma pauta musical, a clave de sol com os dizeres XII Festival de Música em Alvinópolis, aberto a todas as tendências musicais.

Lembro-me que afixei cartazes em diversos locais de Belo Horizonte.

 

A ideia nossa era ter uma grana para ajudar nas despesas com o disco e fazer outros lançamentos na cidade e em outros municípios da região.

 

 

Com o apoio da Rádio 98 FM, na época Del Rey, que veiculava cerca de 6 chamadas diárias na sua programação, por mais de um mês, desde Junho antes do Festival.

 

O locutor Bira veio diretamente de BH para animar o evento. Foram cerca de 250 inscrições de diversas partes do Brasil e um evento super disputado.

Aconteceu na quadra externa do Colégio Prof. Cândido Gomes.

 

Trouxemos jurados de gabarito da imprensa de BH, pessoas de rádio, jornalista da Globo Minas. O festival foi bastante divulgado no Jornal da Globo Minas, o MG TV.

Na realidade, na programação o lançamento do disco seria durante o Festival.

Mas aconteceu atraso na fábrica em São Paulo, por isso tivemos que achar uma solução.

 

Resolvemos contratar um show do Tavinho Moura, um músico conceituado em Minas e autor de grandes sucessos. Apenas ele, com voz e violão, fez uma apresentação muito legal no sábado.

Mas infelizmente, o lucro que iríamos ter foi justamente para pagar o cachê dele.

Mas ninguém se incomodou com isso, pois o evento, com certeza ficou marcado na cidade. Havia livrinhos com as letras das músicas, os anunciantes e seus slogans, como vimos nos Festivais mais organizados da época.

A comissão organizadora foi fantástica, montou um cenário maravilhoso no palco, e o local favoreceu, pois sem dúvida,  o Colégio era o lugar ideal.

Alvinópolis teve a presença de cerca de 4.000 turistas. Para se ter uma ideia, o Colégio estava lotado e a praça, especialmente o Nick's Bar, muito cheio durante os 3 dias, desde a manhã até o final madrugada. E o frio de Julho era sensacional, dando um clima todo especial ao evento.

 

Lembro-me que o Bira, locutor, ficou marcado com a frase "Vocês são demais".. referindo-se ao grande público. O som era tão bom que até perto da Igreja São Sebastião se ouvia tudo com muita fidelidade.

 

 

 

Para compensar a galera, o Verde Terra fez o show de encerramento, antes de serem divulgadas as músicas premiadas. Tocamos as 4 músicas do disco:

Do outro do espelho, Interior, Nòs, os Loucos e "Noite de Cão" e mais outras duas.

A galera curtiu demais. Temos esse show filmado pelo  Pedro Valério da Filmavídeo. Nas gravações se observa o frio. Era cerca de 2 horas da manhã, já da segunda-feira.

 

Foi uma antecipação do lançamento do disco. Como não ficou pronto no prazo, a partir de então começamos a procurar um local adequado e uma data legal para fazer o lançamento

 

Ainda em Julho, após o Festival, um telegrama deixa o grupo muito feliz: a música "Do outro do espelho" se classifica para as eliminatórias do tradicional festival da cidade de Avaré, no interior de São Paulo, o famoso "FAMPOP, entre mais de 1.000 músicas inscritas. Depois de várias reuniões, o grupo decide não ir ao evento, ligando para a organização. Seria uma despesa grande para 10 pessoas, distância, apesar da ajuda de custo. O grupo queria se concentrar para o lançamento do disco.

Na minha opinião, deveríamos ter ido, mesmo que sem a presença de todos.

 

A expectativa era apenas para chegada na minha casa em BH dos discos, que viriam através de transportadora da capital paulista. Os integrantes do Verde Terra sonhavam com essa emoção....

Abraços a todos,muita paz, saúde e sorte.

Até o próximo capítulo.

 

Neo Gêmini

 

Acesse www.neogemini.com.br e conheça um pouco minhas obras literárias.

Acesse: www.myspace.com/bandapaucomarame e ouça um pouco do rock elíptico da banda Pau com Arame.

 

Colunas anteriores