A HISTÓRIA DO VERDE TERRA

 

PARTE 42

 

Neo Gêmini

 

 

O LANÇAMENTO DO LP-Mix, "Nós, os Loucos" em Alvinópolis - Setembro/87

 

Enfim, o Dia Histórico chegou.

Após o Festival de Boa Esperança, que somente eu estive presente, tivemos praticamente uma semana para cuidar de tudo. Como muitos integrantes do grupo ainda moravam em Alvinópolis, conseguimos, além dos convites individuais, pessoas que fizeram uma divulgação legal nos jornais de BH e João Monlevade.

 

Para reduzir custos fizemos um xerox que ficou legal, com as fotos dos integrantes de lado do convite e lá dentro uma estrofe da música "Nós, os Loucos", assim, logo no início.

 

"Sou seu amigo e me chamam

Louco também rá, rá rá 

Nós não somos loucos nada 

É que sabemos sonhar..."

 

Depois, vinham os dizeres:

 

"O grupo Verde Terra, de Alvinópolis, tem o prazer de convida V.Sa. e sua família para o lançamento do LP-Mix, "Nós, os Loucos"

 

Dentro das possibilidades, ficou legal.

Foi uma simples, emocionante e histórica noite de autógrafos na Churrascaria Nick's Bar, em Alvinópolis, o "point" de encontro e principal bar da cidade naquela época.

O proprietário, o saudoso Nô, nos presenteou com um litro de Whisky importado, além das cervejas e águas.

O grupo fez, na entrada do bar, um stand com todos os troféus, medalhas e também alguns quadros com as matérias dos jornais, revistas e fotos que mostravam a trajetória vitoriosa do VERDE TERRA pelos festivais e shows pelo Brasil.

 

Os integrantes ficaram no meio do salão, à frente da churrascaria.

Foram colocada várias mesas, que foram decoradas com várias capas do disco. Dos que gravaram o LP, apenas o flautista Luiz Flávio e o tecladista Lucas Guerra, de Uberaba não compareceram.

O Nick's estava lotado, naquele sábado, 13 de Setembro de 1987.

 

Em algumas mesas ainda se via a repercussão do jogo Alvinopolense 3 x 1 Industrial, que aconteceu na semana anterior. Os torcedores do time vencedor mostravam no dedo o placar e faziam brincadeiras.

 

No som do bar rolava direto o LP-Mix, "Nós, os Loucos", composto de 4 músicas:

Lado A, ou seja primeira sessão: "Do outro lado do Espelho" e "Interior" .

Do Lado B ou segunda sessão, as músicas: "Nós, os Loucos" e "Noite de Cão".

 

Quando acabava um lado, colocava o próximo e depois, voltava novamente. O LP foi tocado durante toda a noite.

Muitas pessoas importantes compareceram ao evento, além é claro dos familiares dos integrantes. Vieram pessoas de outras cidades como Dom Silvério, João Monlevade e Santa Bárbara, com o intuito de adquirir o disco.

 

Estado de Minas - Setembro 1987

 

A Filmavídeo também estava presente registrando todas as imagens, com o Pedro Valério e o Élcio Souza Cota, o popular Vaka. Ainda bem que tenho todo esse registro. Passei tudo para um DVD. É um momento histórico e inesquecível.

Mais tarde, todos os integrantes falaram para a Filmavídeo sobre a história do grupo, enfim toda a luta para concretização daquele sonho.

 

As pessoas estavam felizes, curtindo o VERDE TERRA. Aquele fato histórico para a cultura da cidade. O primeiro grupo a gravar e lançar um disco.

 

Outro fato espetacular foi o local escolhido. Afinal dentro do Nick's o grupo fez algumas de suas primeiras apresentações e também ensaios constantes, sempre com o apoio do Sr. Nico, Dona Mirtes e todos os familiares. É muito aconchegante e gostoso tocar e cantar lá. Dentro das limitações e viagens, me lembra um pouco o famoso "Cavern Club" da Inglaterra, onde os Beatles sempre se reuniam para tocar. O público sempre perto e a acústica muito legal.

Outro fator que nos alegrou muito: todos os familiares do Nick's trabalharam naquela noite com muita alegria e felicidade. O VERDE TERRA agradecerá eternamente àquele  lugar especial.

 

Fazia um pouco de frio naquela noite. Pelas imagens, observava-se a felicidade de todos os integrantes, e principalmente os conterrâneos de Alvinópolis, que se sentiam também realizados e orgulhosos do VERDE TERRA. Lembro-me que foi longo o evento. Acabou por volta das 2 horas da manhã.

 

Estado de Minas - Colunistas Nicolau Neto e Plinio Barreto

 

As pessoas davam seu nome e depois o disco era autografado por todos os integrantes.

Naquela noite foram vendidos cerca de 130 discos. O dinheiro ficou comigo pois teria que pagar o administrador Odon de Oliveira, meu companheiro do curso de Administração da FACE FUMEC, que nos arrumou o dinheiro para prensagem e industrialização do disco nas Gravações Elétricas Continental, em São Paulo. Nós pagaríamos o montante corrigido por juros de caderneta de poupança, o que naquela época, era um ótimo negócio. Lembro-me que no mês seguinte, conseguimos quitar esse  empréstimo que fizemos com ele.

 

Após o lançamento, cada integrante passou a fazer a entrega do disco seguindo aquela lista de plebiscito que fizemos no ano anterior, com todos que queriam adquirir o disco e não estiveram no evento. Lá tinha o nome, endereço e telefone. Tivemos um pouco de trabalho, mais foi bom. Lembro-me que algumas pessoas compraram até 1 ou 2 a mais do que eles pediram.

 

Mais tarde muitos congraçamentos. Os integrantes que beberam um pouco mais, até choraram de emoção. Mas naquela noite tudo era válido. Foi uma emoção indescritível. Obrigado, VERDE TERRA. Valeu demais!

 

No próximo capítulo falarei mais em detalhes sobre a primeira viagem do grupo para uma cidade de outro Estado do Brasil. O Festival de Primavera de São José do Rio Pardo, interior de São Paulo.

 

Um bom festival de Alvinópolis a todos. Muita paz, saúde e felicidades.

Fiquem com Deus!

Abraços.

Acesse www.neogemini.com.br e conheça um pouco minhas obras literárias.

Acesse: www.myspace.com/bandapaucomarame e ouça um pouco do rock elíptico da banda Pau com Arame.

 

Colunas anteriores