A HISTÓRIA DO VERDE TERRA

PARTE 4

 

Néo Gemini

 

I Concerto na Praça, organizado pela Ascal (Nilo Ianarelli Júnior).

Outubro 1986, Praça Sao Sebastião, um domingo festivo

 


Mas, enfim, chegou a grande final do Festival, de 1980.

Das 20 músicas que seriam apresentadas no domingo, quatro eram do Verde Terra.

Haviam três do grupo Estrada de Governador Valadares e quatro do grupo de Itabira, interpretadas pelo grande cantor Toni Primo.

O público comentava que dentre essas sairia a vencedora.
 

Nossa apresentação foi muito boa, fomos bastante aplaudidos e teve até coro de "já ganhou", após tocarmos "Nós, os Loucos".

Outra que o pessoal gostou muito foi "Serenata".
Após muita expectativa, todos do grupo já estavam ansiosos, alguns bastante bêbados.
E o resultado, como esperado, ficou entre as músicas de Valadares, Itabira.
O grupo de Itabira ganhou o 1o. lugar com "São Francisco de Minas" e ainda o 5. lugar
O grupo de Valadares ficou em 2o. e 4o.

E Nós, os Loucos" faturou o 3o. lugar.
Prá gente foi um ótimo prêmio. Primeiro festival e de cara a medalha de bronze.
Além do belo prêmio em dinheiro, tipo hoje 600 dólares ou 1250,00 reais, e um belo troféu.
O prêmio foi pago na moeda da época, o cruzeiro.
Após o anúncio, fizemos um grande carnaval no colégio e posteriormente aquele sambão no Nick's, puxado por Dico e toda galera.
Apenas um fato desagradável: o desaparecimento de nossas duas flautas doces, (barroca)
que compramos com  dinheiro das vendas de jornais, litros velhos e revistas e colaborações de amigos e familiares.
Mas com o dinheiro do 3o. lugar, compramos alguns instrumentos: uma viola de 12 cordas para ajudar nos arranjos das músicas regionais e outros instrumentos menores de percussão, muito importantes para participação em futuros festivais.
 

Show do lançamento do LP "Nós os, loucos".

1987,  Clube do Industrial, um sábado com casa cheia


Durante o fim de Julho e o reinício das aulas, ficamos bastante orgulhosos pelo carinho dos amigos, tanto no colégio, nas ruas, entre familiares, etc..
O festival foi um dos melhores dos últimos anos e conquistamos um prêmio, competindo com músicas de qualidade.

XI FEMPOC - Festival de Música em Caratinga- MG  Setembro/1980
A primeira viagem do grupo - pela lógica o 1o. lugar, mas e a "marmelada", a tentativa de suborno..

Entusiasmados e felizes, fizemos a inscrição em Caratinga, por indicação de minha prima Lieda Vasconcelos e do estudante Cleber Ribeiro (Clebinha) que faziam faculdade lá.
Inscrevemos quatro músicas e três foram classificadas: "Nós, os Loucos", e as novas "Colheita e "Bumba meu boi"
Passamos por dificuldades em relação ao transporte. Com a ajuda de algumas pessoas, familiares, e principalmente o saudoso e querido Padre Joaquim (Pe. Bento), conseguimos algum dinheiro e fomos em dois carros. Um era o fusquinha do meu pai, dirigido por Chiquinho, um mecânico da cidade. O outro era o carro do pai do Marcos, dirigido por Vicente da rua de baixo
Tivemos que pedir dispensa do desfile de 7 de Setembro no Colégio, que aconteceria no domingo, 07/09.
Na quinta à noite, (04/09) fizemos o último ensaio no Industrial e as canções ficaram ótimas.

Ficamos animados com nossa primeira viagem para nos apresentarmos em outra cidade.

Fomos para Caratinga na sexta, 05/09, bem cedinho, passando por Vargem Linda (estrada de chão)  para encurtar o caminho até a BR 262.

Finalmente chegamos em Caratinga e procuramos o pessoal do centro dos Estudantes, que organizou o evento, para saber detalhes de apresentação, ensaios, alimentação etc.
Resolvemos nos hospedar num hotel central, pois o alojamento oferecido não passava de um quarto vazio, com alguns bancos. Não tínhamos cobertor, nem roupas de cama....
Também, cada um levou uma graninha extra, para essas "emergências" e conforto.

Passeamos pela cidade e fizemos um pequeno ensaio no hotel. O local do festival era o tradicional Cine Itaúna, um dos mais antigos do interior de Minas, com capacidade para 3.000 pessoas sentadas, e que estava lotado na sexta, quando tocaríamos as 3 músicas.

Nós abrimos o festival com "Bumba meu boi" e fomos muito aplaudidos.
Depois "Nos, os loucos" e aí a platéia ficou enlouquecida e começou a nos observar mais, muitos aplausos e até um tímido "já ganhou", quando descíamos do palco.
A próxima música, o baião "Colheita" , também muito bem tocada, foi a consagração total e o apoio do público.

Detalhe desse festival: contávamos com um importante observador e orientador: o João Carlos Souza Carvalho (Joãozinho) ,o popular "Gão", que também acompanhou a gente na viagem, mesmo não fazendo parte (ainda) do VERDE TERRA.
Ele era funcionário da Prefeitura de Alvinópolis e organizador dos festivais de nossa cidade.

Classificamos as duas músicas, "Nós, os Loucos" e "Colheita" para a final, que seria no sábado (dia 06/09) e pelos comentários, estávamos na frente da contagem geral com "Nós, os Loucos".
Após a classificação para a final, foi aquela festa em um barzinho, na entrada do cinema. A galera se enturmou e todos ficaram de paquera com as meninas da cidade. Eu arrumei uma namorada, bonita, mas que tinha o nariz um pouco grande. Surgiram algumas brincadeiras de colegas do grupo e ela não gostou muito.

No sábado, acordamos, tomamos um bom café no hotel e fomos curtir a cidade, o coreto na praça central; muito legal para namorar. Eu e o Jovelino fizemos uma "dupla de área", com duas colegas. Havia acabado de conhecer uma e apresentei a amiga para o "Juvilìnio"

Estávamos felizes, quando à tardinha tivemos uma decepção.

Um fato lamentável aconteceu no hotel, antes de irmos para o Cine Itaúna.

Esse fato nos abalou bastante.
Um dos produtores do festival, que se dizia fazer parte do Clube dos Estudantes, foi até um dos quartos, pedindo a turma para que se reunisse com ele.
Ele fez a seguinte proposta: dava o 1o. lugar para gente (20 mil cruzeiros e troféu), desde que esse valor fosse dividido com ele: ou seja ele embolsaria 10 mil cruzeiros e nós, o mesmo valor.
Depois de muita conversa, com todos um pouco assustados e também com a orientação do João Carlos, decidimos não aceitar aquela falcatrua.

Estaríamos pactuando com um desonestidade, justamente naquele momento, nossa 1a. viagem. E todos tinham na faixa de 16 anos. Tivemos que até pedir autorização judicial para fazermos aquela viagem.
Ninguém do grupo aceitou aquela proposta indecente.
Sendo assim, após o jantar, de cabeça ainda abalada fomos para o festival, um pouco desconfiados, mas acreditando na honestidade dos jurados, para participar da grande final do sábado.

No próximo capítulo  o desenrolar deste Festival.
Abraços a todos
 

Neo Gêmini (Manoel Barcellos)

Acesse www.neogemini.com.br e conheça um pouco de minhas obras literárias e musicais.