Baú do Esporte

 

Alvinopolense x Industrial - 1954

 

A regra é clara.

 

 

José Silvério de Carvalho

 

Homenagem ao Wilson Pontes - Campo do AFC - 2013.

Foto : Vidrilho 2013

 

 

A história de Wilson Pontes no jogo dramático entre Alvinopolense e Industrial, em 1954, no Estádio Anastácio de Souza, bairro do Asilo, vulgarmente conhecido na época como Bananeira.

 

Naquele ano, como era de praxe entre os dirigentes das equipes, Antônio Martins Silva, vulgo Niquinho Gama, pelo Alvinopolense, e Joaquim Ferreira Terra, vulgo Quimquim Terra, pelo Industrial, se acertaram para a realização de 2 jogos de grande envergadura e muita rivalidade, que mexiam com a cidade.

 

Desta forma, Alvinopolense e Industrial marcaram dois jogos, sendo o primeiro no Estádio Anastácio de Souza e o segundo no Estádio Paulo Mascarenhas, no bairro da Fábrica.

 

Expectativa geral no bairro do Gaspar, com vários grupos destacando os grandes jogadores do AFC. Já na Baixada, a mesma coisa, os torcedores do Azulão tentando desvendar os caminhos da vitória para o Industrial.

 

Para apitar estas partidas, muita discussão, catimba, complôs daqui e dali, até que chegaram a um acordo para que o Juiz fosse o Sr. Mangabeira, Gerente de Produção da Fábrica de Calçados, que funcionava alí de frente para o Banco do Brasil nos dias  de hoje.

 

Finalmente chega o dia do primeiro clássico.

 

Escalação das equipes :

 

Alvinopolense Futebol Clube

Zeca do Correio-Geraldo de Nelson-Zé Preto-Muado e Tolac.
Joãozinho-Neder e Paulo Almeida-Ari de Souza-Nestor e Remo
Reservas: Babucho-Tutuia e Wilson Pontes.

 

Industrial Sport Club

Juca de Sô Ilidio-Sô Neco-Zé Padeiro-Barruga  Zé Moreno e Ciro
Zézé de Juquinha-Zé Martins-Lincoln de Otávio-Luciano e Jesus de Jucazinho
Reservas: Luizinho Trator-Antonio Quintão-Zé Adelino-Jair

 

Fotos de times da década de 50.

Acervo do Mauro Sérvulo.

 

Equipe Industrial - Anos 50

Em Pé : Antonio de Sá Lucinda(Técnico), Barruga, Zé Adelino,Padeiro, Geraldo de Nelson, Antônio Quintão e Lincoln.
Agachados: Ciro, Fernandinho, Sô Neco, Luiz Carlos, Ataíde e Jesus de Jucazinho.

Foto: Mauro Sérvulo

 

Equipe do Alvinopolense Futebol Clube

Viagem à Barra Longa - 1953.

Zeca, Zé Padeiro, Nestor, Tutuia, Paulo Almeida, Muado, Ari de Souza, Remo, Tolac, Wilson Pontes, Babucho.

Foto: Mauro Sérvulo

 


Em jogo bastante nervoso, com o campo abarrotado, o Industrial vencia por 2 a 1 com grandes exibições de Zé Martins, Padeira e Lincoln.

Quando o jogo já se aproximava do fim, o AFC cresceu na partida, empurrado pela sua apaixonada torcida, quando Paulo Almeida, em grande jogada, empatou a partida. O AFC estava com Muado , Néder e Paulo Almeida em tarde inspirada.

Entusiasmado, o AFC partiu pra cima e Babucho, que havia entrado na segunda etapa, acertou uma bomba de fora da área, com a bola pegando um efeito e entrando na gaveta.

Seria a virada do AFC se não fosse o Sobrenatural de Almeida, personagem de Nelson Rodrigues, muito citado em colunas de esporte, que apareceu com tudo.

O atleta do AFC Wilson Pontes,  reserva naquele jogo, assistia à partida encostado na trave do goleiro do Industrial.

Naquele momento de pressão, o juiz Sr. Mangabeira anulou o gol de Babucho, alegando que o Wilson havia atrapalhado a defessa do ISC.

Imediatamente o tumulto foi formado, com muita discussão e reclamação geral da torcida 'pouca roupa'. Mas não adiantou, o resultado final foi de 2 a 2.

 

Estádio Antônio Anastácio de Souza. Campo do AFC - 2013.

Foto : Vidrilho 2013

 

Apesar da confusão e chiadeira geral com o resultado do primeiro jogo, os dirigentes dos clubes resolveram manter o Sr. Mangabeira para a segunda partida.

 

Desta feita, os erros do árbitro foram ainda mais grotescos.

Estádio da Fábrica lotado, expectativa geral e no primeiro tempo, Geraldo de Nelson, jogador do AFC chutou da intermediária, uma bomba que entrou sem dar tempo de reação ao goleiro Juca do Industrial. Inexplicavelmente o Sr. Mangabeira alegou impedimento de Ari de Souza, que nem participou da jogada, e anulou o gol.

O AFC dominava a partida mas o Sr. Mangabeira, interferindo novamente na partida, expulsou o volante Joãozinho do AFC e ainda marcou um penalty duvidoso para o Industrial.

Quando tudo conspirava para a vitória do Industrial, Zeca do Correio salvou o AFC defendendo o penalty cobrado por Ciro.

Resultado final, 0 a 0.

 

Esses foram dois grandes momentos do futebol de Alvinópolis, com o grande clássico da cidade, que durava muito além dos 180 minutos jogados.

 

Um grande abraço aos alvinopolenses admiradores do bom futebol.

 

Contato : josesilverio.carvalho@gmail.com

José Silvério de Carvalho (Vidrilho).

 

 

Colunas anteriores