Grandes momentos do esporte

Homenagem ao Industrial Sport Club

 

Um jogo inesquecível

Industrial x Renascença - 1961

 

 



No dia 01 de maio de 2012,esta agremiação de muita tradição em nossa terra, completou 74 anos de fundação.

Vamos voltar no tempo, homenageando o ISC, para falar de um dos maiores jogos de futebol da história desse grandioso clube alvi-anil.

Em primeiro de maio de 1961, o Industrial recebeu o o timaço do Esporte Clube Renascença, equipe profissional de Belo Horizonte,  quando completou 23 anos de vida.

Naquele ano, o Renascença havia sido Campeão invicto da Taça Minas Gerais, desbancando o Atlético, Cruzeiro, América e Vila Nova. Em suas fileiras havia grandes jogadores, todos muito falados na imprensa mineira e nacional.

Além disso, vieram a Alvinópolis com o time completo.

 

O Industrial daquela época também tinha um grande time, o que certamente gerou uma expectativa enorme para esse jogo.

Naqueles tempos, os aniversários dos times da cidade eram preparados com grande maestria pelos dirigentes e apaixonados pelos clubes.

 

Anos 60

Em Pé: Sô Neco (Treinador), Alaim, Ary, Zé Piloto, Cid, Tito, Rafael, Carlim Carvalho.
Agachados: Zezé Juquinha, Zé de Zé Lúcio, Tião Silvério, Renato, Moreninho, Helio Euclides, Zé Geraldo Teixeira.

Foto : Acervo Mauro Sérvulo

 

 

A festa

 

A grande festa teve início às 5 Horas da manhã,com a tradicional alvorada da Banda Santo Antônio, desfilando pelas ruas de Alvinópolis, executando os tradicionais dobrados e acordando a cidade para o evento.

 

Ás 6 horas da manhã, uma salva de 21 tiros de "canhão", sob o comando da equipe de fogueteiros de Landulfo Linhares Perdigão. Estrondos enormes que eram ouvidos em todos os cantos da cidade.


Às 7 horas da manhã, retorno da Banda Santo Antonio à sede do Industrial, onde era servido um caprichado café da manhã aos músicos, diretores do clube e associados.

 

Das 9 às 11 da manhã, a "Baixada" ficava lotada, com diversas brincadeiras direcionadas a criançada. Tudo muito simples e que agradava em cheio, como corrida com ovo na colher, cabra cega, corrida de saco, tiro ao alvo e outras mais.

 

Às 11 da matina, apenas para adultos, o temido Pau de Sebo, com 8 metros de altura, cravado no meio da Baixada, com sua casca retirada e untado de óleo queimado, sêbo de boi e graxa. Um desafio e tanto. No alto do Pau de Sebo uma nota de valor alto, tipo 100 reais nos dias de hoje. Quem conseguisse escalar o "gigante", faturava o prêmio. Jamais houve vencedor deste desafio.

 

O jogo

 

 

Na parte da tarde, o momento mais esperado da festa.

O Estádio dos Eucaliptos-Campo da Fábrica, chamado Paulo Mascarenhas, completamente lotado. A Torcida do Alvinopolense, mais conhecida pela Turma do Industrial como "Pouca-Roupa", invadiu o estádio, liderada por "Tuôla" e o seu famoso "saco de bombas", prometendo muita comemoração em caso de goleada do Renascença,mas não foi bem assim.

A torcida do Industrial estava em grande número e empolgada com o grande desafio, fato inédito em Alvinópolis, pois um time profissional era muito difícil de visitar a nossa terra.


Na arbitragem deste grande jogo, um grande árbitro: Joaquim Gonçalves da Silva, da Federação Mineira de Futebol, que inclusive na semana seguinte, apitou em São Paulo, no Pacaembú, a decisão da Taça Brasil entre Santos X América do Rio.

 

O Industrial entrou em campo disposto a vender caro a derrota e fez uma grande partida, honrando suas tradições. O timaço do Renascença bombardeou o Industrial, o tempo todo, mas esbarrou em Tito Ossada, que fechou o gol do ISC, operando verdadeiros milagres. Sem dúvida, Tito foi o melhor atleta em campo.

O Industrial jogou atrás, armando alguns contra ataques e em um deles,ainda no primeiro tempo, Alain,  o grande craque do ISC, em bela jogada, mandou uma bomba na trave, assustando o goleirão Tonho e a torcida do "Pouca Roupa".

Realmente foi um jogo de nervos a flor da pele.

Já no final da partida, aos 44 minutos e 45 segundos do segundo tempo, após cobrança de escanteio da direita, muita confusão na área do Industrial e a bola sobrou limpa para o zagueiro Coelho, que, de bico,  mandou a bola no ângulo, sem defesa para o Tito Ossada.

 

No final, de forma dramática e às duras penas: RENASCENÇA 1 X 0 INDUSTRIAL.

Após a partida, a torcida fanática do AFC, mesmo frustrada com o placar magro, comemorou a derrota do ISC. Tuôla não deixou por menos, mandou várias bombas no "Bambuzal" do Industrial, fazendo voar bambú pra todo lado.
Um jogo que ficou para  a história do futebol alvinopolense, com o Industrial fazendo frente a uma das grandes equipes profissionais do futebol daquela época.

 

Após a partida, Gerson dos Santos, técnico do Renascença, procurou os atletas do ISC, Tito Ossada, Alain e Ary de Caetanin, fazendo proposta para levá-los para testes na equipe de BH.

Nenhum deles aceitou, preferindo ficar em Alvinópolis.

Gerson dos Santos também foi atleta prorfissional defendendo as cores do Botafogo do Rio, nos anos 50, ao lado de Nilton Santos , a Enciclopédia.

Foi técnico do Cruzeiro na era Tostão, Piazza, Dirceu Lopes, conseguindo uma façanha de ficar mais de 40 jogos invicto. Um dos recordes que perdura até os dias de hoje.

Para fechar com chave de ouro, à noite, nos salões do clube, um monumental Baile aconteceu, com animação de Julio Batista e  Orquestra.

Presente na Festa toda a Delegação do Renascença, além de grande público e um excelente baile, que varou a madrugada.

 

Nota de agradecimento


Há mais de 01 ano procurava uma foto do Renascença, para melhor ilustrar esta matéria. Buscas incessantes na Internet, com a ajuda do Juninho e nada. Até que me lembrei que na cidade de Cachoeira da Prata, onde mora minha filha Diana, uma pessoa poderia me ajudar nesta busca e  não deu outra.

Tratava-se de Dilsinho, natural de Cachoeira da Prata, ex-zagueiro do Renascença. Ele inclusive esteve presente no grande jogo acima citado.
Procurei o ex-atleta do Renascença em sua casa, que juntamente com a sua esposa, me receberam com muita gentileza.

Ele colocou à minha disposição várias fotos do Renascença e a escolhida foi a que está no texto, exatamente o time que jogou em Alvinópolis.
Ao Dilsinho e Esposa, os nossos sinceros agradecimentos.

Um abraço a todos Alvinopolenses.

 

José Silvério de Carvalho (Vidrilho).

Contato : josesilverio.carvalho@gmail.com

 

Colunas anteriores