O GRÊMIO ESTUDANTIL

“PROF. POLICARPO MOREIRA”

NA POLÍTICA DE ALVINÓPOLIS

Por Zózimo Drumond

 

 

Estávamos no fim da penúltima aula de uma quinta-feira, quando começou a pipocar um "burburinho" nos corredores do Grupo Escolar Bias Fortes, que foi alastrando, penetrando de sala em sala, até que veio à baila a razão de tudo aquilo: o professor Geraldo Bicalho havia registrado, naquele dia, a sua candidatura a vereador de Alvinópolis, para o pleito que se aproximava. Todos os estudantes estavam radiantes com aquela inesperada e bombástica notícia, principalmente os mais novos, que teriam a possibilidade de iniciarem-se no contexto político, "inaugurando" o seu título de eleitor, dando apoio ao professor que merecia o carinho de todos. Os professores da quarta aula (a última daquele dia) desistiram dela, pegaram os seus diários e foram para a Secretaria, pois sentiram que naquele dia o expediente estava encerrado.

 

José Alvarenga (como dá saudade citar este nome...) convocou Sessão Extraordinária do Grêmio. Fizemos o contato "boca a boca" e, no máximo em 30 minutos estávamos reunidos no pátio, para decidirmos como seria nossa agenda do dia seguinte e todos os outros que antecedessem a data limite para propaganda eleitoral. Às três da madrugada, fomos para nossas casas, cada um sabendo qual seria a sua função. Conseguimos um serviço de auto-falante emprestado e montamos na Caixa d água o nosso QG. O saudoso Biana, funcionário da Prefeitura, responsável pela distribuição da água, colocou à nossa disposição o cômodo da casa de máquinas bem como todos seus maços de cigarro. O nosso comitê  iniciaria os seus serviços às 07:00 daquele mesmo dia, de maneira ininterrupta, só "saindo do ar" quando se aproximava as 18:00 h, já que tínhamos o compromisso das aulas noturnas. A responsabilidade era muito grande, pois teríamos que, durante muitos dias, divulgar mensagens diversas e não poderíamos, já que integrantes do Colégio, incorrer em erros quanto à gramática e quanto à veracidade do conteúdo dos textos. Para a gramática, ficou decidido que qualquer texto só poderia ser divulgado depois de passar sob a crítica de Ozanan, Rafael ou Modestino; quanto ao conteúdo, contamos com a ajuda da revisão, ora do Zé de Chico Soares, ora do Prof. Ary Moreira.

 

 

Como os estudos não poderiam ser sacrificados, montamos oito turmas compostas de seis estudantes, que se revezavam de sorte que sempre tinha uma ou mais em casa estudando, uma em trânsito, uma em atividade (e uma de reserva) e dávamos ao luxo de até sobrar tempo para passarmos na Sapataria do Tone para "assinar o ponto".

 

Ficou combinado que o Grêmio forneceria ingredientes como pães, salames, manteigas, sucos etc., que seriam enviados para a cantina, onde várias estudantes se incumbiriam da confecção dos "sandubas"  que seriam levados para os plantonistas da Caixa Dágua.

Os expedientes diários funcionavam de segunda a sexta  de 07;00 às 17:30, e aos sábados de 07:00 às 12:00, mas, não pensem que esta redução do horário aos sábados se devesse à razão de desgaste nosso, e sim por dois motivos: primeiro, para "dar uma colher de chá" aos tímpanos dos moradores dos  bairros do Gaspar e da Baixada e, segundo, porque sábado à tarde, quem quisesse encontrar com um estudante, invariavelmente teria que ir para o campo do Industrial, onde nos reuníamos para, entre outras, muita prática esportiva.

 

Aos domingos, haveria a Reunião do Grêmio, onde discutiríamos o que foi positivo, o que foi negativo, o que precisaria de correção para, na segunda às 07:00 h estarmos novamente a postos, "com todo o gás". Foi uma coisa nova que somamos aos nossos conhecimentos, além de darmos exemplos para aqueles colegas de classes iniciais, como deveriam agir quem tinha o orgulho de sempre bater no peito e afirmar em bom som: "somos o futuro deste país".

Passadas as eleições, as salas do Fórum não cabiam de estudantes para acompanhar, voto a voto, a colocação do nosso querido professor, e tamanha foi nossa alegria ao ver, no final, o resultado que ele obteve: recebeu uma das maiores votações de toda a história de Alvinópolis!

 

Em hipótese alguma, teria a presunção de insinuar que ele obteve uma votação maciça em razão de nossos trabalhos, pois, a pessoa íntegra, honesta, culta, bem intencionada que era, com certeza receberia semelhante reconhecimento. Mas foi um orgulho muito grande nosso, na primeira Reunião do Grêmio, ao reconhecermos que não fomos omissos, ao contrário, demos tudo de nós, e  "modéstia às favas", contribuímos para que Alvinópolis, nos próximos dias, diplomasse  um de seus mais cultos vereadores de todos os tempos.

Geraldo Bicalho, sem nenhum favor, você foi um dos maiores professores que já conheci, considerando desde o meu curso primário, passando pelo secundário e finalmente pelo acadêmico. E, ao fazer esta declaração, a alegria é muito maior quando me lembro da simplicidade, humildade e educação com que sempre se postou.