Impressões do Velho Continente

 

Uma Colina Sagrada

 

 

Zózimo Drumond

 

 

Casa de Maria

 

"Vocês devem entrar em silêncio e assim permanecerem durante o tempo que lá dentro estiverem. Não podem ficar muito tempo, pois este é sempre limitado devido ao movimento muito grande de peregrinos. Após ficarem alguns instantes na sala de entrada, deverão ir para conhecer o quarto ao lado e em seguida saírem."

Tudo bem. Aproximei-me da porta de entrada e dei seis passos. Aí deu um apagão em mim. O quê fazer? A emoção que veio em mim deixou-me mudo, atônito, estático, sem iniciativa. Segurei e não chorei. Outra vez a pergunta: o que fazer? Eu não sabia. Então resolvi fazer a coisa mais simples que poderia alguém fazer naquela situação: postei-me de joelhos e falei apenas, bem baixinho, só para mim: "Ave Maria, cheia de graça ....

Eu estava, meus amigos, dentro da casa onde a Virgem Maria viveu os últimos nove anos de sua vida, após a crucificação de seu filho Jesus Cristo. Levantei meus olhos e vi à minha frente um altar da Virgem. Nesta e em outras viagens tivemos oportunidade de ver coisas fantásticas, gigantescas, bonitas, interessantes, curiosas, instrutivas, etc; mas nunca uma etapa de um passeio provocou em mim uma emoção desse tamanho. Repetindo: eu estava dentro da casa que Nossa Senhora viveu seus últimos nove anos. Ali ela sofreu, chorou, sorriu, costurou, cozinhou, varreu, enfim, praticou todos os atos de um vivente normal.

Éfeso

A História: Jesus, pregado na Cruz, pediu ao apóstolo São João que tomasse conta de sua mãe, após a sua morte. Era necessário sair de Jerusalém, pois a implacável perseguição aos cristãos seria insuportável. Após algum tempo, São João partiu com a Virgem Maria para Éfeso - Turquia, com a finalidade de ali viverem tranqüilos, em segurança, incólumes. São João tinha 23 anos e Nossa Senhora aproximadamente 60, mas tinha uma aparência de muito mais velha.

Naquela época Éfeso era a quinta cidade mais importante do Império Romano. Ao chegarem ao Porto, se uniram a outros cristãos que se preocuparam em construir uma casa para os dois morarem. O local escolhido foi o alto de uma colina, o monte Coresus, que ficava, aproximadamente, a quatro quilômetros de Éfeso. Preocuparam que a casa estivesse próxima a uma fonte, e que fosse construída em alvenaria (pedras, na época) para maior robustez.

Basílica de São João.

Ao lado esquerdo baixo, no detalhe, o túmulo de São João.

Hoje, 20 séculos depois, a casa passou por várias manutenções, tendo-se a preocupação de se manter, o mais aproximado possível, os materiais usados bem como a planta original. Nossa Senhora ali morou por 9 anos e, ao falecer, seu corpo foi colocado em uma gruta próxima da casa. Passado certo tempo, alguns cristãos foram até a gruta para ver e nada encontraram. O Vaticano reconhece a Casa de Maria como local sagrado. O Papa Paulo VI a visitou em 26-07-1.967; O Papa João Paulo II, em novembro de 1.975 ; O Papa Bento XVI em 2.006.

Após a visita à casa propriamente dita, andamos por um jardim em seu entorno, bebemos água de uma bica que, dizem, sua água vem da fonte original, fomos ao muro onde se coloca bilhetes com preces e nomes de pessoas, pedindo a proteção da Virgem Maria. Fiz questão de enumerar meus familiares, meus amigos e conterrâneos. Nessa altura teríamos que participar de uma missa que seria celebrada em uma casa (edificação moderna) anexa à Casa de Maria. Para nossa surpresa e alegria, Pompéia e eu fomos convidados para fazermos a primeira e a segunda leituras.

 

Zózimo Drumond é alvinopolense e reside em Belo Horizonte.

Contato : zozimodrumond@yahoo.com.br

 

Colunas anteriores