O short McGregor

 

Gjunior com apoio de Zózimo Drumond

 

 

Nas caminhadas com Pai, que sempre faço em Alvinópolis, ouvi este caso do Zózimo, que por já ter contado muitas histórias no Alvinews, me chamou a atenção. Resolvi entrar em contato com ele, para que me ajudasse a contar o caso e os detalhes do ocorrido. Segundo Pai(Magela), na época, eles brincaram bastante com o Zózimo à respeito.

 

Era o ano de 1.968 e Zózimo morava, em B.H, na casa de D.Maria Turrer - Dona Maricas - à rua Grão Mogol, 240, apto 308, em seu tempo de estudante.

Como  em Minas não existe praia, ele, a exemplo de todos jovens, preenchia seu tempo de lazer frequentando o Clube Recreativo Mineiro - antigo Clube dos Viajantes, cuja atividade mais procurada era a praça de esporte e sua imensa piscina.

Para essa prática necessitava de trajes próprios, razão porque a Pompeia, na época sua namorada, no seu aniversário o presenteou com um "short" McGrecor, que lhe causou muita alegria, não só pelo carinho recebido, mas também pela marca do produto que era na época marca de grife, e continua o sendo até hoje.

 

Isto aconteceu no meio da semana, e ele não via a hora de chegar o fim-de-semana para  estreiar (exibir?) o seu novo traje.

E o fim de semana chegou. Só que com ele também chegou, de Alvinópolis, o genro de D.Maricas, o Repolês, e família. No sábado, resolveu-se que todos deveriam ir para o clube, diante o calorão que fazia.

 

Foi aí que o Repolês disse que havia esquecido de trazer short e se alguém lhe emprestava um. O Zózimo ficou caladinho no seu canto e o Fernando, em vez de se colocar à disposição falou: "o Zózimo tem um novinho, muito bacana".

Este ficou sem graça de negar, mas fez a seguinte recomendação: trata-se de presente que ganhei, ainda nem usei. Use-o com cuidado e devolva-me ainda hoje.

Bem, resumindo a história, o Repolês "cascou fora" para Alvinópolis, levando o McGregor.

 

 

Em todas tentativas que o proprietário legal fez, mandando recados, bilhetes, ameaças, a única resposta era: "fala com ele para desistir, este ele não vê mais".

Restou então ao Zózimo, esmiuçar as malas toda vez que eles voltassem a B.H., mas ladino que era o surrupiante, em nenhuma delas levou a disputada veste.

 

Tendo o Zózimo ido visitar seus parentes em Alvinópolis, encontrou-se casualmente com o Repolès, na rua, que "sacanamente" lhe  perguntou:

 

- "E aí Zózimo, está tudo bem?"

- "Ah, não está não. Estou com muita falta de short."

 

E o tempo foi passando.

Numa outra ida a Alvinópolis, ele "topou" com o Rafael - irmão da Mariângela - que lhe informou que o Repolês estava viajando de férias com a família e que ele (Rafael), estava na casa, num "plantão" em nome da segurança.

 

- Ôpa ! ! !

- O quê foi, zózimo?

- Não, não é nada.

 

 

Mal sabia o Rafa que acabara de lhe passar o mapa da mina.

Íntimo da casa como era, simulou uma sede, pediu um copo d'água e foi andando, abrindo uma porta aqui, uma gaveta ali e, eis que de repente, não mais que de repente, vejam lá, bem dependuradinho num cabide do banheiro o seu saudoso e quase irrecuperável McGregor.

 

Em um segundo, sem o Rafa perceber, ele pulou do cabide para uma bolsa à tira-colo que portava o Zózimo.

Numa proxíma ida a Alvinópolis repete-se cena anterior:

 

-Repolês: "E aí, tudo  bem com você?

-Zózimo: "Agora está . A short voltou toda. Agora, eu ouvi um zum-zum por aí que você é que está numa falta de  short danada, né?

 

E Zózimo, como sempre um tremendo gozador, ainda disse: "...mas não se preocupe não. Na próxima vez que quiser ir ao clube, você veste duas cuecas samba-canção, uma pra trás e outra pra frente"

 

 

Zózimo Drumond é alvinopolense e reside em Belo Horizonte.

Contato : zozimodrumond@yahoo.com.br

 

Colunas anteriores