Entrevista Bernardo Santana

 

Por Marcos Martino

 

Bernardo e seu pai, José Santana de Vasconcelos.

 

 

1) -  O que você aprendeu observando a trajetória do seu pai?


Aprendi desde cedo que a política é a preocupação com os interesses coletivos, a participação ativa da pessoa nas questões que interessam ao segmento profissional, à rua, ao bairro, à comunidade, à cidade, ao estado e ao país. Enfim, fazer política é exercer a cidadania de forma plena – não necessariamente é o mandato que faz de uma pessoa um cidadão político, mas sim a sua disposição para servir a temas caros ao seu povo. Observando a trajetória de meu pai, aprendi a valorizar, e muito, a lealdade, a sinceridade, o respeito e a confiança que as pessoas depositam em você. Resumindo, aprendi de forma muito clara que a política pública, quando exercida da forma feita pelo meu pai nestes mais de cinquenta anos de vida pública – quarenta deles no exercício de mandatos eletivos –, transforma para melhor a vida das pessoas, ou seja, é um caminho para o futuro que a maioria de nós almeja.



2
) - O seu pai sempre valorizou a cidade e trouxe inúmeros benefícios para a população. Você pretende continuar esse trabalho?


 Sim. Este desejo é muito forte em mim. Além da questão de minha ligação com a cidade desde muito pequeno e o carinho que tenho por ela, é motivo de orgulho e ao mesmo tempo de responsabilidade ser conhecedor que não há uma obra grande que não teve a participação do José Santana.  O asfalto, que naquela época era um sonho que a maioria não acreditava, virou realidade. Além disso, diversas escolas, obras na área de saúde e saneamento, enfim, em todas as áreas, também viraram realidade. Os Alvinopolenses sabem e reconhecem isso e sempre foram muito carinhosos com o José Santana. Tenho uma responsabilidade muito forte para com Alvinópolis, mas, acima de tudo, tenho carinho por nossa cidade. Exemplo disso é que, ao longo de minha vida profissional, tive a honra de dirigir por 15 anos uma empresa que tem uma enorme atuação no norte de Minas e no Vale do Jequitinhonha, o Grupo Rima – (www.rima.com.br). A organização tem uma atuação muito forte na área social daquela região por meio da fundação Vicintin (www.fundacaovicintin.com.br), que é mantida com recursos da empresa. Se você consultar o site da fundação, vai observar um mapa que apresenta as posições geográficas de atuação da entidade, e que a única cidade que tem a presença desta entidade fora da área da empresa é Alvinópolis. Tive a alegria de conseguir junto à fundação essa participação em nossa cidade, e essa escolha se deu obviamente em razão do meu compromisso com Alvinópolis, e muito antes de eu pensar em enfrentar o desafio de suceder meu pai como deputado.

 

3) O que Bernardo Santana traz de diferente para a política?

 

Na verdade, eu não pensava em disputar um mandato eletivo, apesar de sempre ter atuado de forma política em minha vida em todos os segmentos em que trabalhei e de gostar muito dessa área.

 

Quando iniciei a minha vida profissional, meu pai era muito jovem e ainda é, pois não é a idade que determina isso, e sim a forma de viver, a garra, a capacidade de trabalho, a luta por seus ideais. Até hoje, meu pai é, sem falsa modéstia, um leão para trabalhar.

 

Pensava que meu pai era muito novo para parar e eu, na idade de iniciar minha vida profissional, segui outros rumos, mas sempre atuei politicamente nos setores que participei. Presidi diversas entidades de classe, como o grêmio do colégio Loyola, onde estudei, alguns sindicatos rurais, a Associação de Criadores de Gado, a AMS (Associação Mineira de Silvicultura – www.silviminas.com.br) – entidade que representa o setor de indústria de base florestal de Minas Gerais, ou seja, empresas que demandam de plantar florestas (silvicultura) para as suas atividades: celulose, siderurgia, metalurgia, painéis de madeira e lápis – e a vice-presidência da câmara de base florestal da FIEMG. Portanto, penso que o que trago de novo para política é a experiência que acumulei ao longo de todos esses anos trabalhando no setor produtivo em diversos segmentos.

 

Conheço as dificuldades que hoje impedem o pleno desenvolvimento de nosso país, e tenho muitas ideias para ajudar a superar essas dificuldades. Conheço as nossas carências, mas também nossas potencialidades. A minha formação em direito me ajuda a conhecer os mecanismos do processo legislativo e as formas de se atuar para fazer a diferença. Tenho vontade e capacidade de trabalho, gosto disso e, aliado a tudo isso, carrego a bagagem de ter acompanhado a trajetória do José Santana desde que nasci – o que me ajudou a me preparar para enfrentar estes novos desafios. Em meu site (www.bernardosantana2280.com.br), você confere um pouco da minha trajetória.

 

4) Qual a sua ligação com Alvinópolis mesmo antes da política? O que a cidade o inspira? O que mais te marcou nas visitas à cidade?


Meu bisavô trabalhou na Fabril Mascarenhas. Começou aí a ligação – muito forte, por sinal – da nossa família com Alvinópolis. O meu pai e meu saudoso avô, Edmundo de Vasconcellos Moreira, são alvinopolenses – este, inclusive, foi goleiro do Alvinopolense, viveu a maior parte de sua vida na nossa cidade e a escolheu para passar os seus últimos anos de vida.  

 

Além deles, também tenho outros parentes queridos, que são muitos, mas citarei minhas tias avós Petrina, Cirene e Guilhermina – as duas últimas moraram a vida inteira em nossa cidade e são minhas anfitriãs carinhosas nas diversas oportunidades que tive de passar bons momentos em Alvinópolis, na infância e na juventude, em oportunidades de férias, ou mesmo das excelentes festas e eventos culturais no município.  

 

A convivência com os primos queridos que moram em Alvinópolis e os que convivem com a nossa cidade, e os muitos amigos que fiz em nossa cidade, são muito marcantes em minha vida.

 

Estar em Alvinópolis é sempre uma experiência maravilhosa. Sempre estive presente, e o carinho das pessoas, a alegria de nossa gente, e este “jeito” que é próprio do alvinopolense sempre me marcaram muito.

 

Bernardo em Alvinópolis,

quando criança.

 

 

 

5) - Qual a ligação de Bernardo Santana com a Cultura?

 

Além do gosto pela música, pela arte e pela leitura, sou muito ligado às tradições dos tropeiros. Mantenho em minha fazenda uma tropa de mulas, com arreios bem tralhados, além dos equipamentos de carga, a bruaca, a cangalha, o sinuelo e, sempre que posso, participo de um passeio comemorando esta tradição – o último foi de Diamantina a Ipoema.

 


6) - Percebemos em sua página,  que você também compôs um jingle para a campanha. Você também é compositor? Por acaso, a primeira gravação do jingle foi cantada por você mesmo?


Adoro música, gosto de tocar violão, não sou tão bom. O meu irmão caçula, o Gustavo, é quem toca bem, mas gosto muito, a música sempre esteve muito presente em nossa família e basta nos reunirmos e um som começa.

 

Mas compositor é algo muito além, não tenho talento para tanto. No caso do jingle, minha intenção foi expressar de uma forma mais direta o meu compromisso com esta caminhada e com as pessoas que estão me ajudando. Foi algo que surgiu pelo entusiasmo que estou em fazer um bom trabalho. Mas as versões que estão tocando na campanha não foram gravadas por mim, apenas gravei uma de forma artesanal para que os cantores pudessem conhecer melhor o que quis expressar com a música.

 

7) - Em quais outras cidades vocês tem trabalhado?


Além de Alvinópolis, tenho a honra de ser apoiado em Águas Formosas, Almenara,  Amparo do Serra, Arinos, Baldim, Barão de Cocais, Barra Longa, Bela Vista de Minas, Belo Horizonte, Belo Oriente, Berilo, Bocaiúva, Bom Jesus do Amparo, Bonito de Minas, Botumirim, Brasília de Minas, Buenópolis, Buritis, Buritizeiro, Cabeceira Grande, Campanário, Capitão Enéas, Carlos Chagas, Catuti, Chapada do Norte, Cláudio, Conceição do Mato Dentro, Conquista, Coração de Jesus, Cordisburgo, Corinto, Coronel Murta, Cristália, Divisa Alegre, Divisópolis, Dom Joaquim, Dom Silvério, Francisco Dumont, Fronteira Dos Vales, Grão Mogol, Guaraciaba, Guaraciama, Ibiracatú, Icaraí De Minas, Itabira, Itabirito, Itaipé, Itamarandiba, Itambacuri, Jacinto, Januaria, Janauba, João Monlevade, Josenópolis, Juruaia, Ladainha, Lagoa da Prata, Lagoa dos Patos, Lassance, Lontra, Luislândia, Mata Verde, Minas Novas, Nova Porteirinha, Nova União, Novo Cruzeiro, Olhos D'água, Padre Carvalho, Pai Pedro, Palmopolis, Passa Tempo, Pedra Azul, Pedra Bonita, Pedras de Maria Da Cruz, Pintópolis, Pirapora, Pompeu, Porteirinha, Riacho Dos Machados, Rio do Prado, Rio Pardo de Minas, Rio Piracicaba, Rio Vermelho, Rubim, Salinas, Salto da Divisa, Santa Bárbara, Santa Cruz do Escalvado, Santa Maria do Salto, Santo Antônio do Itambé, Santo Antônio  Jacinto, São Gonçalo  Rio Abaixo, São João da Lagoa, São João da Ponte, São José do Goiabal, São Sebastião  Rio Preto, Serra dos Aimorés, Serranópolis de Minas, Três Marias, Turmalina, Ubaí, Unai, Várzea da Palma.

 

8 - Quais os principais projetos da sua campanha e quais deles teriam o perfil de Alvinópolis. Quais as suas principais plataformas?


Municipalização dos recursos:

Sou a favor de uma reforma que permita a maior aplicação de forma direta nos municípios, dos recursos arrecadados, com gestão mais participativa da população na aplicação dos recursos, de forma a atender melhor as necessidades do município e fazer com que as riquezas circulem de fato no município.

 

Saúde:

Acesso integral, universal e gratuito para todos. Saúde ao alcance de todos: ampliação do PSF para as cidades brasileiras. Interiorização do médico no Brasil. Programas que combatem a mortalidade infantil. Farmácia Popular: medicamentos acessíveis a todos. Redução da mortalidade de jovens por violência e acidentes.

 

Reforma Política:

Fim dos partidos de aluguel, unificação das eleições e ampliação de aplicação de políticas públicas que intensifiquem a transparência e a participação popular cada vez mais intensa e efetiva.

 

Educação:

Educação de qualidade: mais informação, conhecimento, reflexão e ação.

Apoio à universidade pública: mais infraestrutura e incentivo a um ensino de qualidade.

A Escola Técnica Federal: profissionalização e renda ao alcance de jovens e adultos.

Criação de mais escolas voltadas para as pessoas com necessidades especiais.

Aprimoramento dos programas bem-sucedidos.

Educação de Base.

 

Desenvolvimento:

Políticas públicas que incentivem e favoreçam o desenvolvimento, a criação de emprego e a geração de renda.

Precisamos incentivar o produtor rural, dar real acesso ao crédito, e a reversão da injusta criminalização que esta categoria é vítima.

É preciso incentivar a atração de novos investimentos industriais tanto na implementação quanto na expansão.

Estimular investimentos em tecnologia e inovação, possibilitando agregar valor aos nossos produtos.

Da mesma forma, há que se atentar para o comércio, para todas essas coisas é necessário o acesso ao crédito. 

Hoje, a burocracia para se obter financiamentos é quase intransponível, sobretudo, para os médios e pequenos empreendedores.

Para tudo isso é necessária a reforma tributária, a definição de marcos legais que possibilitem a segurança jurídica.

Nenhuma atividade produtiva consegue competir com as altas taxas de juros aplicadas e que incentivam a especulação que não gera emprego, nem renda e, portanto, não geram desenvolvimento.

O capital especulativo tem que ser mais onerado dos que o aplicado na produção.

 

 

Segurança Pública:

Integração, modernização e participação ativa dos cidadãos e das instituições.

Tecnologia a serviço da segurança da sociedade.

Mais e melhores investimentos na infraestrutura da segurança pública.

Experiências que deram certo: aperfeiçoar a instrumentalização para que o cidadão exerça a sua co-responsabilidade.

A segurança tratada desde cedo nas escolas.

Aprimoramento do sistema prisional.

 

Esportes:

Quadras poliesportivas nos municípios.

Programas de incentivos a atletas.

Ampliar as boas ações.

Esportes, cultura e entretenimento.

 

Elaborei um plano de ação parlamentar (PAP), que pode ser visitado em nosso site, com detalhes sobre os temas mostrados acima.

 

9) - O que o povo Alvinopolense pode esperar de você?

 

Muita garra, muito trabalho, dedicação, esforço, transparência, seriedade, lealdade e carinho por nossa cidade e nossa gente.


10
) - Como tem sido a receptividade da campanha?

 

Estou muito satisfeito com a receptividade ao meu nome nas cidades que o meu pai representou ao longo destes anos e também das mais de trinta novas cidades que aderiram à nossa caminhada. Estou percorrendo diversas regiões do Estado e, com isso, estou tendo a oportunidade de apresentar nossas propostas e ideias para uma atuação parlamentar à altura de nosso Estado. Também estou ouvindo as pessoas e as suas opiniões, sugestões e demandas de cada município que me apoiam, o que é muito importante, pois não é possível exercer um bom mandato parlamentar sem a participação das pessoas. Quem pleiteia representar tem que estar sintonizado com seus apoiadores, pois seu trabalho só será bom se atender as expectativas de quem lhe confia o voto.


11
) - Quais as suas composições, suas parcerias políticas.

 

Tenho a honra de receber o apoio de mais de 100 municípios mineiros, localizados nas diversas regiões de nosso Estado. Por essa razão, sou apoiado juntamente com vários candidatos a deputado estadual, cada qual em uma região ou cidade, mas me dou muito bem com essas pessoas e penso que terei a satisfação de poder trabalhar com todos eles com sintonia e eficiência.

 


12
) - Uma pergunta que o Alvinopolense com certeza vai querer saber: torce para Cruzeiro ou Atlético?

 

Sou filho e neto de atleticanos, e adotei o time desde sempre, mas fui muito mais ligado a esportes que envolvam cavalos nunca acompanhei muito os campeonatos de futebol, com exceção da Copa do Mundo. Talvez por isso cresci sem a rivalidade que às vezes marca essas torcidas. A minha filha mais velha é atleticana, mas o filho do meio é cruzeirense. E eu não vejo problema nisso, o importante é incentivar o esporte de uma forma geral em todas as suas modalidades.


13
) - Conhece as festas tradicionais de Alvinópolis, como Festival da Música e Festa da Chita?

Assisti diversas vezes o festival da canção, desde os tempos do República dos Anjos e Pau com Arame. Alvinópolis sempre teve essa ligação enorme com a cultura. Conheço também a festa da Chita, que celebra a qualidade do tecido produzido em Alvinópolis pela Fabril Mascarenhas – além da qualidade, é importante destacar a criatividade dos artesãos e artistas. Gosto demais também do Congado, por ocasião da comemoração do dia de nossa padroeira Nossa Senhora do Rosário, e penso que, depois do parque de exposições, as cavalgadas e exposições ocorridas várias vezes ali também merecem destaque.

 

 

14) - Hoje em dia muitos políticos vem pedir os votos nas cidades do interior mas só aparecem nesta época. Se você for eleito, daqui a 2 anos qual o projeto você acha que tem mais chances de dar certo aqui e que o povo poderia lembrar de você?

 

Minha história é bastante diferente, conheço e convivo com Alvinópolis desde criança. Tantas vezes peguei carona na carroça que transportava o lixo, brinquei muito na praça e pesquei lambari. Já rapaz, participei das festas, tomei cerveja no ninho da Águia quando o Maurão era o perigo da praça – hoje, está comportado – e já participei das troças quando alguém fazia algo fora do normal e a meninada gritava “olha a Kombi”. Ainda hoje convivo com a cidade visitando com frequência o belo trabalho da irmã Helena.

Não bastasse tudo isso, tenho o compromisso com Alvinópolis e com todas as cidades que me apoiam.

Quando decidi aceitar o desafio de uma candidatura para suceder o meu pai, não o fiz pensando em herdar o mandato, pois ele não se herda.

 

O mandato não é de político, mas do povo que o coloca e retira do poder. Meu pai recebeu a confiança dessas pessoas por mais de 40 anos, e digo com tranquilidade que ele sairá do exercício do mandato de cabeça erguida.

 

Decidi me dedicar a esta causa abrindo mão de minha carreira como executivo em seu ápice, porque gosto de gente, gosto de trabalhar, gosto da boa política, como meu pai – isto, sim, a gente herda. Quero, enfim, honrar a trajetória de meu pai e continuar o seu trabalho.

 

Como meu pai, quero muito mais do que um projeto, quero continuar a fazer como ele sempre fez por Alvinópolis, trazendo os recursos que permitiram a implementação de tantas obras, e sendo uma presença constante. Até porque apontar um projeto agora soaria em tom eleitoreiro e isso não faz o meu estilo, assim como nunca fez o dele.

 

Mas tem uma obra muito desejada e merecida por um grande distrito de nossa cidade, e que há muito meu pai queria atender e que recentemente conseguiu os recursos para fazê-lo. No entanto, infelizmente, os recursos não foram aplicados, talvez com medo de dar crédito de mais uma grande obra para José Santana. Atitude não recomendável e sem a grandeza de Alvinópolis.

 

É até um motivo para reflexão que em política não existe espaço vazio: ou se escolhe quem tem compromisso ou se paga o preço da omissão.

 

Você sabe o que é e tem os documentos que comprovam, mas como disse não quero dar um tom de promessa ao iniciar uma caminhada que visa suceder um homem que só fez cumprir compromissos, e justo em sua terra natal.

 

Mas espero que eu seja, independentemente dos votos, capaz de ajudar a concretizar essa obra. Assim, aquele Distrito poderá, quando elevado a cidade, levar como lembrança de sua cidade mãe esta realização tão importante e merecida.


15
) - Deixe uma mensagem aos Alvinopolenses.

 

Muito obrigado pela amizade e carinho com o José Santana nestes tantos anos, e tenham a certeza que darei tudo de mim e trabalharei com muito afinco, fazendo o melhor que eu puder sempre, no desejo de também ser merecedor desta amizade e confiança, honrando o que vocês sempre fizeram pelo meu pai. Quero muito trabalhar por Alvinópolis.