Industrial Sport Club

Aniversário de 21 anos - 1959

 

José Silvério de Carvalho

 

Anos 60

Em Pé: Vaquinha, Renato, Agapito, Tião Silveira, Raul Megre, Zé Martins, Ciro, Pata Choca, Ary, Rafael, Tony, Jesus Jucazinho, Zezé Juquinha.

Foto : Acervo Mauro Sérvulo

 

No dia 01 de maio de 1959, o Industrial Sport Club completava 21 anos de fundação e como de costume foi programada uma grande festa, que teve início às 05 horas da manhã, com a tradicional Alvorada, marcando a presença da Banda Santo Antônio.  Desfilando pelas ruas e avenidas de Alvinópolis, executava os grandes Dobrados da época.

Às  07:30 da manhã, tradicional café reforçado para os membros da Banda Santo Antônio, Diretores do Industrial Sport Club e associados.
 

Das 09:00 da manhã até o meio dia, diversas modalidades esportivas eram praticadas pela garotada. Entre elas, corrida no saco, corrida com um ovo na colher e finalmente, o desafio mais temido por todos: o famoso Pau de Sêbo.

 

Nesta atividade, um eucalipto com 8 metros de altura era cravado no meio da Baixada, todo untado com óleo queimado, cera e graxa. Lá no alto do grande tronco de eucalipto, a maior nota de dinheiro da época, pendurada. (Algo em torno de 100 reais nos dias de hoje). Jamais houve um vencedor nestas épocas de ouro de Alvinópolis.
 

Na parte da tarde, o melhor da festa, o futebol.

Neste dia o Industrial Sport Club trouxe até Alvinópolis, o time amador mais temido da região, o MINAS FUTEBOL CLUBE, de Nova Era.

 

 

Minas de Nova Era - Anos 50

Em pé : Evandro, Fala Macia, Ica, Paulão, Tiziu, Neneca e Marmota. (Técnico).

Agachados : Luiz, Sudã, Nilton, Capixaba e Tãozinho.

 

Nesta equipe jogavam alguns atletas profissionais de muita categoria, dentre eles Sudã, o maior jogador de futebol que pisou nos gramados de nossa terra.

 

Além dele, Cica, Fala Macia, Paulão, Tiziu, Capixaba, Hélio Gandaia, Hugo e outros.
Para este grande jogo,o Industrial levou uma certa dose de azar antes mesmo do inicio da partida.

Nenhum de seus grandes goleiros estava disponível. Vaquinha, Tito Ossada e Zé Aleixo tiveram problemas e não poderiam jogar.

 

O ISC teve que lançar mão de um goleiro reserva muito fraco.

Sendo o Minas uma equipe experiente, logo percebeu a desconfiança do time azul no goleiro e partiu pra cima, aplicando uma goleada de 4 a 2, com dois golaços de Sudã, fazendo a alegria da torcida contra.

 

Nesta época a rivalidade entre os times ainda era gigante, com a torcida do AFC (Pouca Roupa) invadindo o campo da Fábrica e comemorando ruidosamente a derrota do arqui-rival.


Mas a história não acabou aí, 15 dias depois, o Industrial embarcou para Nova Era, com a difícil missão de ir à forra.

Desta feita o ISC foi preparado, levando no gol, Vaquinha, um dos maiores goleiros da historia do futebol de Alvinópolis e ainda alguns reforços, como Moreno, Zé Martins, Raul,  Tião de Silvério, Ary de Caetaninho, Agapito e Renato Linhares.

Nesta grande revanche não deu outra.

 

O Industrial Sport Club não tomou conhecimento do timaço do Minas e aplicou-lhe um goleada por 4 a 1.
Muita confusão no final da partida, mas o ISC devolveu a goleada e chegou em Alvinópolis debaixo de um tremendo foguetório e comemoração na Baixada, para a felicidade da Torcida Alvi-Anil.


São momentos que nos fazem relembrar os bons tempos do futebol alvinopolense.


Um abraço para todos Alvinopolenses.

 

Artigos relacionados :

História do Industrial

Parte 1 - Parte 2 - Parte 3


 

 

José Silvério de Carvalho (Vidrilho).

Contato : josesilverio.carvalho@gmail.com